Moradias reinventam o jeito de morar e viver bem

Fórum realizado em SP debateu o tema bem estar com especialistas do setor

0
36
Moradias inovadoras e inteligentes

No dia 3 de agosto foi realizado, no Museu da Imagem e Som (MIS), em São Paulo, o Fórum “Viver até os 100 anos”, que debateu com reinventar o estilo de vida e a busca por um novo jeito de morar e viver na cidade, com a oferta de moradias inovadoras e inteligentes.

Dentro das discussões, o foco principal é o bem estar que as pessoas precisam ter para estarem preparadas para alcançar a longevidade com qualidade de vida.

Um dos participantes do evento, o arquiteto alemão Matthias Hollwich é um defensor do movimento “New Aging”, baseado em cinco pilares:  be social (ser social), be active (ser ativo), be mobile (ter acesso e mobilidade), eat well (comer bem) e stay healthly (manter-se saudável).

Empreendiemtno do Bem Estar

Por conta disso, a cidade de São Paulo receberá o primeiro empreendimento baseado neste conceito e que oferecerá uma diversidade de serviços compartilhados como o pay-per-use, de carros e bicicletas; guarda de entregas, para alimentos e congelados; utensílios, como ferramentas e peças de cozinha; e lavanderia coletiva.

E segundo o presidente da incorporadora Vitacon, empresa responsável pelo projeto, Alexandre Frankel, “as áreas comuns do prédio terão hortas e jardins comunitários, acessibilidade dos equipamentos comuns, coworking, spiritual center, movie lounge, biblioteca, bar e café”, entre outras novidades.

“Todos os nossos prédios têm coworking. E  ficam lotados. As pessoas querem trabalhar perto de casa e juntas. Carros compartilhados, bicicletas compartilhadas, ferramentas compartilhadas, horta compartilhada, tudo faz parte de uma filosofia de vida de que o indivíduo pode viver mais com menos”, afirma Alexandre.

O secretário municipal de Mobilidade e Transportes, de São Paulo, Sérgio Avelleda concorda com a tese. “A cidade foi feita para as pessoas interagir, se relacionar. Antigamente nos conectávamos com nossos vizinhos. Hoje é feito tudo através das redes sociais. Estamos perdendo aos poucos o sentido de viver em comunidade”, finaliza.

Compartilhar
Artigo anteriorLeitura: projeto incentiva e derruba mitos sobre a prática
Próximo artigoCross Pilates é ideal para sua saúde
Diretor Editorial e de Redação da Revista Nova Família. Jornalista e assessor de imprensa, desde 2001, conta com grande experiência como repórter, em jornais impressos e emissora de TV, como editor de revista, e webwriter. Além disso, é especialista em assessoria de imprensa e comunicação corporativa, incluindo mídias sociais, marketing digital e otimização de sites (SEO)

Deixe seu comentário