Brasileiros são os que mais procuram a traição, aponta pesquisa

Segundo a plataforma Ashley Madison, o Brasil lidera o ranking de países com mais infidelidade e registra um crescimento de 35 mil novos inscritos por

Brasileiros são os que mais procuram a traição, aponta pesquisa

Segundo a plataforma Ashley Madison, o Brasil lidera o ranking de países com mais infidelidade e registra um crescimento de 35 mil novos inscritos por semana

Brasileiros são os que mais procuram a traição, aponta pesquisa. Além da economia e saúde, a pandemia do coronavírus também causou um  impacto claro nos relacionamentos. Sendo obrigados a passar dias inteiros com seus parceiros – 53% estão passando mais tempo com o cônjuge do que antes – muitos se viram imersos em uma convivência não tão agradável, e procuraram por uma válvula de escape. Seja no Brasil, nos Estados Unidos ou no Canadá, vários casais experienciaram situações parecidas. 

Para entender melhor a influência do vírus na vida amorosa de indivíduos de todos os cantos, a Ashley Madison, maior plataforma online para relacionamentos extraconjugais do mundo, desenvolveu o relatório “Amor além do isolamento”. Por meio dele foi possível mapear não só razões que levam à traição, como também entender mais profundamente o porquê a quarentena se mostra um período especial para prática. 

Só no Brasil, por exemplo, desde 1º de janeiro deste ano, a plataforma registrou 1,3 milhão de novos membros, com uma média de cerca de 35 mil inscritos por semana. E a procura por um caso continuou crescendo: no mês de agosto, brasileiros iniciaram mais de 18,6 mil novos casos no Ashley Madison. De acordo com os últimos dados do site, o Brasil é líder no ranking dos 20 países com mais inscritos entre 1º de janeiro e 28 de setembro, per capita. 

Ao contrário do que se pensa, passar mais tempo dentro de casa não é sinônimo de mais sexo. É fácil achar que, preso e com pouco a fazer, o casal aproveitaria o momento. Mas não é isso que mostram os dados da pesquisa. De acordo com o relatório, cerca de 75% dos amantes estão fazendo menos ou nenhum sexo com o cônjuge. Desses, 39% até tentaram reverter a situação e conversar sobre o assunto, mas sem sucesso. 

Como consequência, a falta de sexo se mostrou um dos principais combustíveis para traição. 25% dos entrevistados revelaram que esse é, especificamente, o aspecto mais difícil da quarentena — mais ainda do que não ver os amigos ou a família (23%). 

“Pesquisando bastante, encontrei na Ashley Madison muito sigilo e pessoas que pensam igual a mim. Nos primeiros meses da pandemia não senti muita falta de sexo, porque estava com muito medo e apreensiva em pegar o vírus. Mas, depois de um tempo, comecei a ter crises de ansiedade por ficar isolada. Meu marido e eu estávamos trabalhando em home office porém brigando muito dentro de casa. Comecei a me sentir sozinha e sentir falta de contato físico, de sexo”, conta uma membra brasileira, de 30 anos.

Diante dessa situação, muitos também encontraram outra saída: a masturbação. Cerca de 60% está se masturbando com tanta ou mais frequência do que antes da quarentena, enquanto a maioria dos membros (64%) tem mantido um caso durante a pandemia como resultado direto da falta de satisfação sexual em casa. 

*Fonte: Ashley Madison

Nos acompanhe nas redes sociais:

https://www.instagram.com/portalnovafamilia/

https://www.facebook.com/revnovafamilia

https://www.linkedin.com/in/revistanovafamilia/

https://www.youtube.com/user/revistanovafamilia