Quando o mix das peças separadas mostram sinais de desgaste, é a hora dos vestidos

0
35

Nas coleções e nas ruas eles estão sempre desfilando em vários formatos e cores.

Os vestidos têm bons motivos para se manter no guarda roupa.

O ponto principal são os preços mais baixos: o vestido simplifica a confecção, custando menos que a produção de duas peças como tailleurs e trajes.

Outro apelo é o poder de sedução e a simplicidade das formas.

Este despojamento permite mil coordenações de acessórios, fazendo do vestido no verão, a escolha mais refrescante e no inverno um estilo chique.

Entre as várias opções de vestido fica fácil escolher a modelagem mais adequada para cada tipo de corpo.

Vestido perfeito

Avalie o seu físico e invista no vestido adequado

Muito busto

Use decote alto e linhas retas, pois enfatizam os ombros, diminuindo o volume do busto.

Evite cintura alta ou alcinhas muito finas.

Cintura sem definição

 

Use recortes ou cinto acima da cintura. Ajuda a marcar a cintura.

Evite vestidos apertados na cintura e quadris.

Corpo de garoto

Use decotes em “V” abertos e drapeados formando volumes e sugerindo contornos mais arredondados ou vestidos estampados.

Evite modelagens justas ao corpo e sem detalhes.

Estômago saltado

Use vestidos com corte império, abaixo do busto, caimento reto ou chemise.

Evite tomara que caia ou modelos acinturados.

Peso ou quadris a mais

 

Avalie o seu físico e invista no vestido adequado

Muito busto

Use vestido tubinho curto. Alongam as pernas e o tronco

O comprimento certo nos vestidos

Centímetros fazem diferença na hora de definir a altura certa das bainhas.

As baixinhas devem marcar do joelho para cima.

As volumosas ou mulheres com quadris ou coxas grossas devem medir os comprimentos do joelho para baixo alongando a silhueta.

As de pernas grossas devem localizar a bainha na parte mais delgada da perna e as de pernas finas no local com mais volume.

Vestidos importantes em qualquer guarda-roupa

Os vestidos que você precisa ter no seu figurino em qualquer estação

  • Tubinho preto (Little Black dress)
  • Vestido em Cetim (principalmente o vermelho)
  • Vestido Longo
  • Vestido justo
  • Vestido Linha A (Baby Doll Dress)
  • Vestido com babados
  • Vestido chemisier
  • Vestido de Renda
  • Vestido Boho Style
  • Vestido estampa étnica
  • Vestido Coquetel (Disco Dress)
  • Vestido Longo de Festa Tomara-que-Caia (Bustier dress)
  • Vestido Estilo Militar
  • Vestido Ombro à Mostra
  • Vestido Bainha Assimétrica (Mullet Dress)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhar
Artigo anteriorEficiência em Programas de Diversidade e Inclusão Corporativa
Próximo artigoAs ferramentas digitais que empoderam mulheres que viajam a negócios
Natural de Porto Alegre, nos anos 70 fundou a indústria de moda X&C, a pioneira no estado a confeccionar o estilo boutique. Neste período a marca X & C participou de vários eventos nacionais como o "Oscar da Moda" (Rio de Janeiro 82 /83) junto a estilistas consagrados como George Henry, Marco Rica, Lino Villaventura e desfiles na Fenit, em São Paulo com o produtor Paulo Ramalho. Colaborou com figurinos em novelas da Rede Globo como "Ti-Ti-Ti", "Brega & Chique", entre outras e colocou as coleções nas melhores lojas do Brasil e na loja franqueada "X & C" no Rio de Janeiro. Xico também desenhou sapatos, bolsas e roupas de couro para outras empresas comercializadas com a etiqueta "X & C" para todo o Brasil. Após a morte do sócio, em 1994, Xico encerrou as atividades de industrial e se dedicou à comunicação tentando passar para os leitores e telespectadores a sua maneira prática de ver a moda e o mercado. Durante doze anos apresentou comentários de moda no "Jornal do Almoço", na RBS TV (filiada à rede Globo) e participou cinco anos como apresentador e editor do programa Estilo (TV Com), além de escrever nos jornais Zero Hora e Diário Catarinense e em diversos sites e revistas. Neste período também prestou assessoria de moda para a rede de lojas "Paquetá" e assessoria de tendências para a empresa gaúcha Grendene e para Renner Vicunha. Em paralelo produziu eventos como os concursos "Donna da Capa" (Jornal Zero Hora) e "Concurso Garota Verão" (RBS TV) criando os figurinos e a elaboração do roteiro. Esta circulação em concursos proporcionou a Xico descobrir no interior de Lajeado a top-model internacional Shirley Mallman. Em 2001 junto a RBS e Shopping Iguatemi de Porto Alegre criou o evento "Donna Fashion Iguatemi", uma semana de desfiles para lançar novos talentos do RGS e mostrar as coleções de talentos nacionais consagrados. Em 2004 lançou o livro “ABC da Moda” pela Editora RBS, que está esgotado em todo o Brasil e que serve como livro de consultas em todas as lojas Exchange Armani brasileiras. O livro também é referência em faculdades e cursos de moda do Brasil. Xico morou cinco anos no Rio de Janeiro de 2007 a 2012 escrevendo para revistas e jornais e produzindo catálogos de empresas italianas que fotografam no Rio de Janeiro as coleções. Trabalhou como editor da revista gaúcha South Star renovando e sofisticando o padrão de diagramação e criou imagem e conteúdo para a revista Tomorrow. Em 2013 morou em São Paulo cuidando do conteúdo para as plataformas digitais da revista Pais & Filhos. Em 2014 voltou para o Rio de Janeiro para dar assessoria a uma empresa de moda. Escreve atualmente para as revistas VLK, South Star (RGS), revista Mensch (masculina), revistas Mais Influente Homem e Mais Influente Mulher (São Paulo), entre outras e mantem seu o site com atualizações diárias e a fanpage com publicações a cada duas horas, sempre com serviço de consultoria de moda e lifestyle. Também faz parte do programa “Tribuna livre” da REDE VIDA como comentarista de moda. Em 2016 se apresentou no programa do Jô Soares como especialista de moda. Atualmente participa do programa “É de Casa” na Rede Globo.

Deixe seu comentário