5 dicas para passear com o cachorro nos dias quentes de verão

5 dicas para passear com o cachorro nos dias quentes de verão

Vai passear com o cachorro neste verão? Cinco dicas para que o pet não sofra com o calor. O coordenador técnico, João Pedro Lucio, profissional da Maria Brasileira, lista os principais perigos para o cachorro nos dias mais quentes do ano e dá dicas de como evitar que o animal passe por um sofrimento que pode levá-lo, até mesmo, a óbito

Se o excesso de calor é um sofrimento para os humanos, para os peludinhos pode ser pior ainda. Por isso, ao expor o animal ao sol, é preciso tomar uma série de precauções, evitando que o pet passe por situações que possam acarretar em sérios problemas de saúde. Abaixo, o coordenador técnico, João Pedro Lucio, profissional da Maria Brasileira, rede de franquias de serviços de limpeza e cuidadoslista cinco cuidados necessários ao passear com o cachorro nos dias quentes de Verão.

De olho no relógio

Segundo o profissional da Maria Brasileira, a mesma regra que vale para os humanos é válida para os cãezinhos. “Evitar passeios em horários com temperaturas mais elevadas é o ideal. Os passeios devem acontecer antes das 10h e após às 16h”, explica João.

O profissional ainda conta que uma boa tática para saber se o cão está sofrendo com o passeio – mesmo nos horários indicados – é observar os sinais que o pet dá. “Boca aberta, respiração ofegante e muitas pausas durante o percurso é sinal de que algo está errado”, afirma. Nestes casos, a atitude mais correta é interromper a caminhada e deixar o programa para outro dia.

Água em abundância

Independente do horário do passeio com o cãozinho, a água é um item obrigatório. “Hoje em dia há vários recipientes que podem ser transportados facilmente”, comenta João. Além de hidratar o animal, é uma forma de aliviar o calor.

Uma dica do profissional da Maria Brasileira é congelar a água que será transportada no passeio do pet. “O gelo irá derreter durante o caminho e quando o cachorro for beber a água, ela estará fresquinha”, indica.

E o coordenador técnico da Maria Brasileira faz um alerta. “Não é somente na rua que a água precisa ser fresquinha. Dentro de casa, ela precisa ser trocada com frequência. Com o calor, o líquido esquenta facilmente”.

Menos pelos, por favor

O calor pode ser um verdadeiro sofrimento para os cães com pelagem longa ou de cor escura, por isso, manter a tosa em dia é primordial. Principalmente se o cachorro é levado para passear na rua com frequência. “O cão que tem muito pelo sofre muito nos dias quentes e com o calor da rua o desconforto pode se intensificar. Por isso, além de levar em consideração o horário do passeio e manter o pet sempre hidratado, é muito importante tosá-lo”, observa João.

De acordo com o profissional da Maria Brasileira, muitos donos acabam não tosando o pet por questões estéticas, mas em época de temperaturas elevadas, a saúde e bem-estar do cãozinho deve estar em primeiro lugar.

Passeio em quatro rodas

É preciso um cuidado redobrado se o cachorro for transportado de carro até o local de lazer. “O cachorro jamais deve ser deixado dentro do veículo, nem que seja por uns minutos. Em dia de sol quente, o carro pode virar um verdadeiro forno se ficar exposto ao sol, o que pode levar o animal a óbito”, avisa João.

Mesmo com o veículo em movimento é preciso tomar algumas precauções. “Se o carro tiver ar, é válido deixá-lo em uma temperatura agradável para todos. Caso contrário, as janelas precisam ficar abertas para o ar circular”, aconselha o profissional. Mas vale uma ressalva. “O cão não deve ficar sem supervisão com as janelas abertas”, afirma.

Sombra e água fresca

Assim como os humanos, os cachorros também gostam de se refrescarem depois de um passeio sob o sol. Piscinas, banhos, brincadeiras com mangueiras são super bem-vindas. “Só é preciso tomar cuidado com piscinas para não haver afogamento. Além disso, é preciso sempre secar o animal após qualquer tipo de banho para evitar resfriados”, finaliza João.