A comunicação pela aparência e a indisfarçável intenção de assemelhar-se de confundir-se

marcas falsificação

A comunicação pela aparência e a indisfarçável intenção de assemelhar-se de confundir-se

Define-se MODA como um conjunto de opiniões, gostos, modos de agir, viver e sentir, inevitavelmente coletivos. Efêmera, sem dúvida, traduz-se na manifestação de uma cultura e de um tempo. MODA é expressão de valores de uma sociedade.

À palavra MARCA, tal qual o conceito de moda, podem ser atribuídos alguns significados. É a impressão deixada por alguém ou algo, um desenho, inscrição, nome, número, selo, símbolo, carimbo, que se coloca sobre um artigo para distingui-lo de outros, ou como indicação de propriedade, qualidade, categoria, origem.  Pressupõe, ainda, um sinal ou qualquer coisa para avivar, ativar a lembrança a respeito de algo, ou que serve para reconhecer ou encontrar algo. Um traço distintivo!

 E sendo a “moda”, ao lado da inovação, a lógica do novo, infelizmente a “contrafação” (termo jurídico usado para indicar a falsificação de produtos, valores, assinatura, de modo a iludir a autenticidade) passou a ser um dos desafios das “marcas” em nossos tempos.

É certo que a Constituição Federal estabelece, como Direitos e Garantias Fundamentais, a preservação dos direitos do autor concernentes à sua criação, especialmente nos incisos XXII e XXVII, de forma específica o inciso XXIX, do artigo 5º,  bem como artigos 170, III, IV e V e artigo 195. A par da Constituição Federal, como se a Lei Maior não bastasse, o direito do autor é garantido pela Lei de Propriedade Industrial (Lei n. 9.279/96), na Lei de Direitos Autorais (Lei n. 9610/98) e na Convenção da União de Paris (CUP), do qual o Brasil é membro signatário.

Assim, busca-se dar tutela às criações do intelecto humano, ao coibir a prática de condutas ilícitas através de sanções previstas em Lei.  Entretanto, efetivamente, não basta! Necessário se faz a frequente e diuturna fiscalização no combate a diversas formas de “falsificação”.

 Importante se faz ressaltar que a preservação da “marca” é principal meio à garantia da higidez das relações de consumo. Tolerar desvios significa admitir a inequívoca confusão ocasionada no consumidor que ao adquirir produto de determinada marca, espera obter certo padrão de qualidade e confiabilidade a ela associada.  O consumidor não pode ser induzido a identificar produtos de uma e de outra marca distintas.

A preservação da “marca” não tem apenas a finalidade de assegurar direitos ao seu criador, possui, também, relevante interesse público. Prioritariamente, tem a função de preservar o mercado, o desenvolvimento da atividade econômica e, por consequência, toda a sociedade.  Cabe, ainda, a proteção ao consumidor final, de modo a conferir-lhe meios para avaliar a origem e a qualidade do produto, coibir o desvio ilegal da clientela e a prática parasitária.

De fato, o prejuízo se configura de ambos os lados. Mas como estancá-lo?  Como desmantelar  o processo da contrafação desenfreada?  Existe uma fórmula capaz de deter o consumo de produtos falsos?  A quem se pode atribuir a culpa?

A existência de uma legislação com punições mais severas seria uma forma de contenção desta prática abusiva? 

Nossos tribunais vêm firmando posição no sentido de que não é imperativo quantificar o prejuízo econômico para que se possa reconhecer a existência de danos patrimoniais decorrentes da violação do direito de propriedade.  O prejuízo por violação de marca prescinde de comprovação.  A demonstração do dano se confunde com a demonstração da existência do fato, de modo que o sujeito ativo da contrafação deve indenizar os danos experimentados pelo titular da marca. Ademais, a indenização não pode ser ínfima. Ao reverso, deve ser de importância tal, capaz de efetivamente coibir novas ilicitudes. Caso contrário, ao invés de desestímulo, servirá de estímulo à continuidade da prática ofensiva.

Infelizmente, contudo, há uma verdadeira “indústria da falsificação”, que não para de crescer.   Um crime que a cada ano resulta em prejuízo imensurável ao país. A falsificação se intensificou de sobremaneira que é até terceirizada. O que o criador, e todo o aparato para a criação, leva muito tempo para produzir é ilegalmente copiado num piscar de olhos.

 Além disso, há outros graves problemas consequentes como o emprego de crianças, mão de obra desqualificada, trabalho escravo, sendo que as mais atingidas no setor da indústria da moda são as mulheres. Estima-se que haja no país mais de 160 mil trabalhadores em situação análoga à escravidão, em estabelecimentos de todos os setores produtivos.  Empregos formais deixam de ser incentivados e criados.  A indústria da falsificação está par e passo com o crime organizado!

 O processo de combate à contrafação é por demasiadamente oneroso, busca-se até mesmo o desenvolvimento de tecnologia e de inteligência artificial nessa árdua batalha. Mas parece que o maior desafio ainda está na conscientização do consumidor final.

Estudos acerca do comportamento humano identificam que, seja por qual modo se apresente o “consumo”, ou o objeto de desejo, o que invariavelmente se pretende é que a “imagem” do consumidor seja identificada como de alguém que pertence a um determinado grupo e que utiliza os mesmos símbolos daquela cultura. No entanto, o dispendioso preço desses produtos símbolos de status poderia explicar a busca e o consumo de falsificações?

A Moda sem dúvida se traduz em um fenômeno complexo, que afeta os indivíduos em seus comportamentos singulares e sociais.  Artigo publicado na Revista Thema, Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia Sul-rio-grandense. Pelotas, RS, Brasil, de autoria de  Francisco Nunes dos Reis Junior e Cláudio Torres – edição 2018 – vol 15 pág. 119 a 132, em debate sobre valores culturais e consumo de produtos de moda falsificados, conclui que “O consumo de produtos de moda (ainda que falsificados) é uma expressão clara de consumo conspícuo, pois paga-se o preço para suprir necessidade física, mas também para demonstrar status perante a sociedade”. Destaca-se que o consumo conspícuo (ou consumo ostentatório) é um termo usado para descrever os gastos em bens e serviços adquiridos principalmente com o propósito de mostrar riqueza.  A matéria segue considerando que “se o consumidor não pode arcar com os preços cobrados, mas busca a satisfação do desejo pelas perspectivas hedônicas, ele é levado a crer que produtos originais e falsificados são similares, uma vez que as falsificações recebem elementos de identidade (nome, símbolo e cor) das marcas dos produtos originais …” .

Certo é que a questão suscita extrema complexidade pois envolve múltiplos fatores, mas não menos certo é que a educação e o conhecimento são sempre os mais profícuos caminhos para a mudança, para a boa mudança, onde se buscam o esclarecimento e a maturidade necessários para enfrentar essa mazela da sociedade.  O direito à educação, à informação, garantidos constitucionalmente, são de extremada relevância à conscientização e podem servir de instrumento à aplicação da ética nas relações da Moda, Marca e seus consumidores.

Isabel Cristina de Medeiros Tormes
Advogada em São Paulo, sócia do escritório Rodrigues Jr. Advogados.

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Veja os últimos posts