A educação, a família e a sociedade

A educação, a família e a sociedade

A educação, a família e a sociedade

A educação, a família e a sociedade. A família e a escola estabelecem uma relação mútua, sendo ambas personagens constantes no cenário educacional de seus filhos/alunos, e responsáveis por caracterizar os tempos, espaços e ações que constituem esse cenário.

Com efeito, a cumplicidade positiva entre escola e família é pano de fundo necessário para que o processo de formação se dê com qualidade e para que se cumpram os objetivos educacionais esperados. 
Por isso, a família deve ser sempre bem-vinda na escola. Não apenas quando é chamada, mas também quando comparece espontaneamente.

Neste sentido, sugere-se a formação de grupos de estudos e de troca de experiências, palestras sobre temas ligados à formação das crianças e jovens, atividades culturais, artísticas e esportivas, participação dos pais nas atividades de orientação vocacional e profissional, na análise de ambiente para formulação do Plano Estratégico, entre outras inúmeras possibilidades.

Por outro lado, a escola não é uma ilha autossustentável que independe de interações com a sociedade em que se insere. Ao contrário, a escola deve se considerar parte (importante) de uma rede de relações que passa por todos os campos da atividade humana, e que, em conjunto com eles, constitui o aparato social, histórico e político que, na sua heterogeneidade, é lastro para a  fundamentação e implementação do seu Projeto Político-Pedagógico (Projeto político-pastoral-pedagógico nas escolas confessionais).

Assim, num mundo globalizado, a escola precisa relacionar-se com seu entorno, indo ao seu encontro e trazendo-o para dentro dos seus muros. E, é claro, deve ir muito além do seu entorno, pois, sendo um centro educacional, a relação deve se dar com o mundo todo, aproveitando-se das tecnologias e das novas possibilidades de comunicação e movimentação.

Ratzinger (2009) registra que o movimento ecologista, diante das destruições do mundo e dos perigos que nos espreitam, entende que a natureza nos traz uma mensagem, e temos de prestar atenção a essa mensagem da natureza, acrescentando que a natureza também clama por justiça e se expressa, por vezes, de modo não verbal, de maneira a impor limites às nossas ambições.

Acrescenta que as novas gerações já têm entendido tal recado, tendo acolhido a ideia do planeta como casa-comum, como comunidade ampliada onde tudo de bom ou ruim é compartilhado globalmente, e que, nesse sentido, fomentar uma cultura solidária de caráter ambiental vem se tornando um imperativo vital para o mundo globalizado.

A escola, lugar da prática educativa sistematizada, tem o poder de influência na realidade social, mesmo sendo por ela influenciada e, a conta-gotas, pode ir permeando conhecimentos e códigos culturais e sociais. Torna-se um dos mecanismos na grande engrenagem do mundo humano e um mecanismo com força de transformação.

Mesmo sofrendo os percalços das mudanças da temporalidade, mesmo desvalorizada e sob a pressão dos interesses políticos e econômicos, é inegável que a educação possui sólidas estruturas, reconhecimento e legitimidade que muito contribuem no estabelecimento de transformações sociais. 

As desigualdades econômicas, bem como o descompromisso social, formam uma teia que impede a promoção humana, passando pelos fios de uma ideologia dominante. No caso brasileiro, percebemos um crescimento acelerado da desigualdade social, um reforço na separação das classes sociais, a crise do desemprego.

Tescarolo (2004) escreve que tanto quanto um sistema vivo, a escola precisa mudar para se preservar, e, todas as vezes que um novo elemento passa a fazer parte dela, propriedades inéditas emergirão; e, comparando a escola com o corpo humano, escreve que, neste, as moléculas vão sendo substituídas ao longo dos anos, de tal modo que ao final de dois anos quase todas terão sido substituídas, embora o sistema continue o mesmo, ou seja, a permanente transformação estrutural garante a preservação da organização do corpo humano.

A escola, assim como a família, precisa ter princípios e valores claros, dos quais deve procurar não se distanciar. Sabemos, entretanto que a sociedade muda constantemente; por isso, há que se permanecer sempre em busca das inovações, mantendo a identidade própria, incluindo os princípios e atualizando os valores sempre que necessário; e, nas confessionais, deve-se priorizar o Carisma, que é o motivo básico das suas existências.

O Professor Amaro França (2018) escreveu: “… a escola é um organismo vivo, assim como as pessoas, principalmente porque a força manifestada no serviço que a escola presta, vem das pessoas (profissionais) que a integram, e essas devem estar imbuídas da identidade constitutiva da própria escola. (…) os profissionais devem ser o reflexo dessa identidade organizacional.”.

REFERÊNCIAS:

– FRANÇA, Amaro (org.); MELO, Elimar e outros. Diálogos educacionais. Belo Horizonte: Ramalhete, 2018. 
– RATZINGER, Joseph; D’ARCAIS, Paolo Flores. Deus existe? São Paulo: Planeta, 2009.
– TESCAROLO, Ricardo. A escola como sistema complexo: a ação, o poder e o sagrado. São Paulo: Escrituras Editoras, 2004.

*Fonte: Roberto Gameiro (http://www.textocontextopretexto.com.br)

https://m.polishop.vc/novafamilia/

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Veja os últimos posts

Antifrágil

Antifrágil. Vivemos no mundo VUCA com quatro características: volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade. Você já deve ter observado que tudo mudou e a essa altura

Continuar Lendo »