A energia da Geração Y tem lugar nas empresas

trabalho em equipe

A energia da Geração Y tem lugar nas empresas

A energia da Geração Y tem lugar nas empresas. As pessoas nascidas entre 1980 e 1996, a chamada Geração Y ou millenials, têm a fama de não se prenderem a uma empresa e passarem por diferentes empregos.

Diversas pesquisas comprovam isso, porém, algumas organizações, como a Japan Tobbaco International – JTI, têm conseguido reter esses talentos e mostram que essa regra tem exceções.

O relatório “Como os millennials querem trabalhar e viver”, feito recentemente pelo instituto Gallup apontou que:

  • nos Estados Unidos, 21% dos millennials dizem ter mudado de emprego no último ano,
  • o que é mais de três vezes o número de pessoas de outras gerações que relataram o mesmo.

Eles também demonstraram ter menos vontade de permanecer nos empregos em que estavam:

  • com apenas 50% concordando plenamente quando questionados sobre seu desejo de permanecer na mesma empresa daqui um ano.

Outro dado aponta que 60% dos millennials dizem estar abertos a uma oportunidade de emprego diferente, número 15% maior do que as pessoas que não fazem parte dessa geração.

No entanto, a pesquisa também mostra que a questão central pode não ser uma inquietação em busca de mudança, mas a falta de engajamento e oportunidades nas organizações em que estão trabalhando, já que só 29% das pessoas da Geração Y mostram-se engajadas em seus trabalhos:

  • apenas três em cada dez estavam emocional e comportamentalmente conectados com as empresa na quais trabalham.

CONQUISTANDO A GERAÇÃO Y

Com o objetivo de criar esse engajamento e vínculo, as organizações precisam ter a capacidade de construir diálogos com os colaboradores sobre suas carreiras e prepará-los para as oportunidades que vão surgir.

Roberto Macedo, 38 anos, Diretor de Operações de Leaf, está na empresa desde o início da operação em Santa Cruz do Sul (RS).

Ele começou na antiga empresa KBH&C e o trabalho que era para durar uma safra se consolida há 19 anos.

Macedo foi contratado em maio de 2000 e tem orgulho de seguir no seu primeiro e único emprego.

Eu iniciei como auxiliar de operações, trabalhando no chão de fábrica mesmo.

Considero o meu crescimento na empresa uma história muito bacana porque vejo que cresci com ela, conta.

Dois anos após começar a trabalhar, participou de um processo de trainee em que conheceu todas as áreas da empresa.

“Esse é um dos fatores que considero chave para meu desenvolvimento profissional, porque me deu uma visão de todo o negócio, desde a área de agronomia, que é onde inicia, até a área de exportação”.

Macedo diz que, depois disso, ainda pôde encarar novas oportunidades trabalhando em unidades nos Estados Unidos, na Indonésia e em projetos na Alemanha.

Desde 2014, depois de passar pela gerência de fábrica e trabalhar como líder em alguns projetos estratégicos, é o Diretor da área de Operações, e garante ainda ser estimulado a se superar constantemente.

Todo ano, todo mês, toda semana tem um desafio novo.

Um exemplo é o programa pelo qual estou passando de formação da nova geração, o NewGen.

São 13 profissionais selecionados em todo o mundo que estão tendo a oportunidade de desenvolverem suas capacidades, habilidades e aptidões, por meio de inúmeras oportunidades de desenvolvimento e com a exposição aos membros do Senior Management, ExCom e ao CEO da JTI, conta.

Thiago Dotto, 36 anos, Diretor de Pessoas & Cultura, tem uma história parecida com a de Macedo.

Ele começou a trabalhar na empresa Kannenberg em Santa Cruz do Sul em 2002, por meio de um programa do Governo Federal chamado Meu Primeiro Emprego.

O contrato como ajudante administrativo na área de Tecnologia da Informação (TI) era temporário, mas logo se tornou efetivo.

Em 2013, a empresa começou um processo de ampliar a distribuição de vendas.

Com isso, o escritório que ficava no Rio de Janeiro se mudou para São Paulo.

Na ocasião em 2014, Dotto ficou com o papel de ajudar a equipe na transição a distância.

Em 2015, então, surgiu a oportunidade de atuar na capital paulista.

Como gosta de superar limites, não hesitou. “Eu olhei para o desafio e o aceitei”, afirma.

Para ele, os desafios propostos pelos seus gestores foram essenciais e revela isso com orgulho:

“Não me deixaram na zona de conforto, foi isso que me fez ver que quando achamos que é o nosso limite, vem um novo desafio e você percebe que pode ultrapassar o que pensava ser o limite”.

Tanto para Roberto Macedo quanto para Thiago Dotto, o crescimento aconteceu de acordo com a expansão e oportunidades da empresa no Brasil e no mundo.

Ambos acreditam que a empresa apostou neles, garantiu subsídios para que se especializassem e estivessem prontos no momento das melhores oportunidades.

Por Redação

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Veja os últimos posts