A importância da castração na vida do pet

A importância da castração na vida do pet

A importância da castração na vida do pet

Segundo veterinária da DogHero, além de evitar a reprodução, a castração ajuda a tratar e prevenir doenças e tumores influenciados pelo sistema reprodutivo

A importância da castração na vida do pet. Muitos pais e mães de pets quando adotam um animalzinho ficam na dúvida se devem ou não castrá-lo. Principalmente em tempos virais como o da pandemia da COVID-19, alguns tutores podem preferir por postergar a cirurgia do pet.

No entanto, segundo a veterinária Thaís Matos, da DogHero – maior empresa de serviços para pets da América Latina – não há necessidade de esperar para castrá-lo, pois o atendimento veterinário está ocorrendo normalmente.

Ainda é comum que muitas pessoas pensem que é cruel castrar o pet e não têm o conhecimento de que a castração traz inúmeros benefícios ao longo da vida do animalzinho. De acordo com a especialista, a castração não é um ato de crueldade como algumas pessoas pensam.

Tanto em fêmeas como em machos a indicação mais comum da castração é evitar a reprodução, mas seus benefícios vão muito além disso como, por exemplo, tratar ou prevenir doenças e tumores influenciados pelo sistema reprodutivo, prevenir ou alterar comportamentos anormais e entre outros.

Outro fato que costuma contar para o bem-estar do animalzinho é a idade com que ele será castrado. “Existe uma idade tradicionalmente recomendada na literatura veterinária para a castração que varia entre os seis a nove meses.

Porém, não existe idade ideal para castração, independente da idade do pet, sendo ele mais velho ou não, a realização da cirurgia vai depender da avaliação e recomendação do médico veterinário, após avaliar o histórico de saúde do pet, o motivo da castração e possíveis exames solicitados, já que cada animalzinho é único e tem características diferentes”, comenta a especialista da DogHero.

A castração é um procedimento cirúrgico, por isso é importante que o pet passe por uma consulta com o médico veterinário de sua confiança, para que ele realize exames e oriente o tutor sobre a cirurgia.

O procedimento é rápido e o pet normalmente tem alta no mesmo dia, apesar disso, devido ao efeito colateral da anestesia, até o fim do dia podem ficar sonolentos.

A recuperação também é simples, desde que sejam seguidas as orientações do médico veterinário quanto ao pós-operatório, que vão desde a limpeza da ferida cirúrgica e curativo, uso do colar elizabetano ou roupa cirúrgica, restrição de movimentos do pet, até o uso correto da medicação, caso seja prescrita.

*Fonte: DogHero

Nos acompanhe nas redes sociais:

https://www.instagram.com/portalnovafamilia/

https://www.facebook.com/revnovafamilia

https://www.linkedin.com/in/revistanovafamilia/

https://www.youtube.com/user/revistanovafamilia

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Veja os últimos posts

Dona Felicidade

Dona Felicidade. Diário da pandemia, entramos na fase verde! Significa que após 7 longos meses vou sair de casa, ainda com muito cuidado e apreensão,

Continuar Lendo »