Adolescentes e o Alcoolismo

adolescentes e o alcoolismo

Adolescentes e o Alcoolismo

A venda e ou o fornecimento mesmo que gratuito de bebida alcoólica para menores de dezoito anos são proibidos por Lei. Mas isso não impede a relação de adolescentes e o alcoolismo. 

Nem os próprios pais podem fazê-lo. Essa proibição está prevista no Art. 243 da Lei 8069/90 – “Estatuto da Criança e do Adolescente – Dos Crimes em Espécie”.

A Lei, entretanto, não tem sido cumprida por omissão, tolerância, displicência, má-fé, interesses comerciais e outros motivos inconfessáveis.

A análise desta temática, na realidade, deve ser desenvolvida não somente à luz da Lei, mas, e principalmente, à luz do bom senso, da valorização do Ser e dos relacionamentos interpessoais. Cuidar bem da educação de crianças e jovens para princípios e valores que preservem a vida e a dignidade é tarefa de cada família e de toda a sociedade.

A Lei busca dar forma a esta necessidade básica. O aumento do consumo de álcool pelos jovens, em idade cada vez mais precoce, preocupa pais e educadores do mundo todo – e a nossa cidade não é exceção. São inúmeras as pesquisas que têm sido realizadas e divulgadas (basta “dar uma volta” pela internet para tomar conhecimento); quase todas elas nos remetem a informações como estas:



– 40% das mortes entre jovens ocorrem em acidentes de trânsito, sendo metade causados por alcoolismo;

– 50% de crianças entre 10 e 12 anos já provaram bebida alcoólica;– São raros os pais que não fazem vista grossa sobre o consumo de álcool entre filhos adolescentes;

– Meninas têm sido vítimas de estupros por terem ingerido bebida alcoólica e, em consequência, ficado sem autocensura e autocontrole;

– Lares desintegrados são convite a todo tipo de desajuste;– Relacionamento familiar insatisfatório aumenta em 121 vezes a chance de desenvolver dependência;

– O primeiro contato dos adolescentes com álcool acontece muitas vezes dentro de casa, sob os olhos dos familiares;

– 28% beberam pela primeira vez em casa e, em 21,8% dos casos, as bebidas foram oferecidas pelos pais;

– 23,81% beberam pela primeira vez devido às pressões do grupo de amigos, 11% brigaram após beber, e 19,5% faltaram à escola.Importante registrar que a maioria dos jovens afirma que começou apenas por curiosidade. Ora, ninguém precisa pôr a mão no fogo para saber que queima…“…A educação severíssima do passado deu lugar a seu oposto absoluto – a liberdade total. O que se vê hoje são garotos e garotas indo a festas várias vezes por semana e voltando para casa às cinco da manhã. Nem todos, é claro, irão abusar do álcool. Mas essa rotina desregrada é certamente um convite aos excessos. Uma das características da juventude – não necessariamente um defeito – é querer experimentar de tudo.” (Ilana Pinsky – Psicóloga)Está mais do que na hora de os adultos, pais e educadores, se unirem para ajudar esses jovens que, sem perceberem, estão trilhando um caminho muitas vezes sem volta.

E não nos esqueçamos da mensagem Bíblica: “Tudo me é permitido, mas nem tudo convém. Tudo me é permitido, mas eu não me deixarei dominar por coisa alguma” (ICor 6,19). É um aprendizado que, ancorado na nossa fé na vida, nos engaja em uma caminhada comum de busca de vida em plenitude (Jo 10,10) para os nossos adolescentes e jovens.

A pedagogia da presença, que é o contato habitual com os adolescentes e jovens, constitui um dos eixos mais significativos da educação. Por isso, é fundamental que não deixemos perder a proximidade pedagógica que ensina e que aprende e que tem a força de cultivar a vida, de valorizar a família, de propiciar a felicidade e de realizar os sonhos.Para saber mais.

-Roberto Gameiro

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Veja os últimos posts