Agosto verde: Sintomas vagos dificultam diagnóstico do linfoma

linfoma

Agosto verde: Sintomas vagos dificultam diagnóstico do linfoma

O câncer pode acometer diferentes partes do organismo, sendo uma delas o sangue. Por isso, agosto é o mês reservado para falar sobre o combate a uma das neoplasias mais comuns relacionadas: o linfoma. 

Trata-se, na verdade, de uma série de doenças e subtipos com características e graus de agressividade distintos. “Para ter uma ideia, existe mais de 60 tipos de linfoma não-Hodgkin, o que também torna o diagnóstico mais complicado, comprometendo muitas vezes as possibilidades de cura”, enumera o hematologista Carlos Chiattone, Professor Titular da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e coordenador do setor de onco-hematologia do Hospital Samaritano de São Paulo

 Segundo o especialista, como o diagnóstico precoce costuma ser importante para os bons resultados no tratamento, um dos diversos desafios da comunidade médica é conscientizar e informar a população sobre essas doenças, que ainda são pouco conhecidas.

Além da existência de uma gama diversa, um dos impasses envolvendo esse cenário é que os sintomas nem sempre são evidentes, sendo até confundidos com outras doenças. Por vezes, o paciente sente apenas fadiga, perda de apetite e de peso, tem quadros de infecções recorrentes, entre outras manifestações3. 

Segundo o Dr. Chiattone, os cânceres hematológicos geralmente afetam a produção e a funcionalidade dos glóbulos vermelhos ou brancos. O linfoma afeta o sistema linfático, responsável pela remoção de fluídos corporais entre outras funções bem importantes, como a defesa do organismo. Esse tipo de câncer ocorre quando certas células do sistema linfático, que deveriam nos proteger contra as ameaças, se proliferam de forma descontrolada, afetando o sistema linfático. “Divididos entre linfoma de Hodgkin (LH) e linfoma não-Hodgkin (LNH), ambos apresentam comportamentos, sinais e graus de agressividade diferentes”, informa o hematologista.

Por razões ainda desconhecidas, o número de casos do linfoma não-Hodgkin (LNH) duplicou nos últimos 25 anos, principalmente entre pessoas com mais de 60 anos¹. Diante de um cenário tão diverso e complexo, a boa notícia é que hoje é possível encontrar mais opções de tratamento, alguns bem específicos, indicados para determinados tipos de cânceres hematológicos raros. Com essas novas opções, cada vez mais seletivas, o prognóstico dos pacientes diagnosticados com algum tipo de câncer hematológico melhorou.

Por Tatiane Pellegrino

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Veja os últimos posts