Alerta! Casos de H1N1 podem aumentar no outono

alerta-casos-de-h1n1-podem-aumentar-no-outono.jpg

Especialista orienta sobre a importância de manter a higiene das mãos com lavagens e álcool gel para diminuir as chances de proliferação do vírus

A chegada do outono marca o período de transição climática, com queda gradual de temperatura que favorece a incidência de doenças respiratórias como gripe, resfriados, sinusites e rinites em decorrência da baixa umidade do ar.

Algumas regiões do país já registram casos positivos para o vírus da Influenza A (H1N1), que deve se sobressair na estação. Por isso, o médico infectologista do Hapvida Saúde, Alexandre dos Santos Souza, dá dicas de prevenção da doença.

De acordo com o especialista, qualquer pessoa não imunizada está sujeita a contrair o vírus da doença e entrar para a estatística. “É importante estar em alerta para casos de gripe como um todo, pois, os sintomas entre a Influenza A e a gripe comum começam de forma parecida, com febre, tosse, mialgia, artralgia, dor na garganta, coriza e obstrução nasal”, explica.

LEIA MAIS: Seis nutrientes essenciais para melhorar sua imunidade durante o inverno
Meningite meningocócica: como proteger seu filho da doença que causou a morte de neto do Lula

Entre as medidas de prevenção, é recomendado a lavagem frequente das mãos antes de tocar em mucosas (olhos, boca e nariz) e após espirrar, o uso de lenços de papel (descartável) para proteger boca e nariz ao espirrar e uso de álcool gel.

Além disso, é preciso:

  • se estiver doente, manter repouso, alimentação balanceada e ingestão de líquidos adequada, evitando contato com outras pessoas em ambientes fechados e aglomerados;
  • evitar a exposição de menores de cinco anos ao clima chuvoso;
  • manter ambientes bem ventilados;
  • procurar o serviço de saúde caso apresente febre, tosse, dor de garganta, falta de ar ou qualquer outro sintoma associado.

A Organização Mundial da Saúde (OMS), destaca que o vírus influenza, que provoca a gripe, é um dos maiores desafios de saúde pública do mundo, uma vez que cerca de 1 bilhão de pessoas contrai o vírus todos os anos. Entre elas, 3 a 5 milhões desenvolvem casos graves, o que resulta em 290 mil a 650 mil mortes por doenças respiratórias relacionadas à influenza.