Anorexia nervosa: Fome de Amor e Autonomia

Anorexia nervosa: Fome de Amor e Autonomia

As causas da anorexia são muitas tanto na área familiar como sociocultural. Situações cotidianas como uma mudança de escola, de cidade ou país, a separação dos pais ou perda de um parente podem provocar anorexia. Assim como acontece com outros transtornos alimentares, abuso ou agressão sexual também podem desencadear o problema.

Na maioria dos casos, a anorexia ocorre pela primeira vez na adolescência. Mas, recentemente, isso vem mudando e até crianças entre nove e 10 anos têm apresentado sintomas de distúrbio alimentar. O problema afeta principalmente as mulheres mais jovens, mas meninos e homens também estão desenvolvendo anorexia.

Esta é uma das poucas doenças psicológicas que podem ser fatais, já que cerca de 10% dos casos resultam em morte. As principais causas são suicídio, em decorrência da depressão, desnutrição e outros fatores associados como a infecção pulmonar e a parada cardíaca. Estresse, problemas de autoestima e conflitos familiares também podem levar à anorexia. Estudos mostram ainda que fatores como predisposição hereditária e genética também podem estar por trás do problema.

1O dicas para os pais ajudarem seus filhos com bulimia e anorexia:

1- Ter alguém na família com anorexia é sempre uma surpresa. Uma notícia que choca e preocupa ao mesmo tempo. Em geral, a primeira reação é procurar uma explicação: por que uma garota ou garoto tão inteligente e esperto desenvolveu esse problema? Depois, a tendência é buscar um culpado. Mas, o ideal é evitar essa atitude. O melhor caminho, sempre, é o diálogo. Converse com a criança sobre a doença e os riscos. Mesmo que no início, ela se recuse a ouvi-lo, seja firme e persista. Quem sofre com a anorexia, frequentemente,  argumenta de forma semelhante às pessoas com problemas de alcoolismo e abuso de drogas. Os pais só poderão ajudar seus filhos se agirem de forma consistente e clara em relação ao distúrbio alimentar.

2- Pense que o problema não é só da criança ou do jovem, mas de toda a família e que todos devem buscar ajuda juntos. E lembre-se de que quando seu filho começar a se abrir e falar sobre a doença, este é um sinal de que ele já está no caminho para aceitar ajuda.

3- Lembre-se de que essa é uma oportunidade de aprendizagem e crescimento pessoal. Uma chance de repensar sua vida familiar e seu papel, e deixar de lado a ideia de que seu filho precisa ganhar peso primeiro para ficar bem.

4- Descubra quais são os sintomas e converse com seu filho sobre isso. Seja equilibrado e não se deixe levar pelas tentativas dele de negar o problema. Não banalize a doença, mas não dramatize a situação. Geralmente, demora algum tempo para atingir um baixo peso com risco de vida. Mas fique atento, pois abaixo de 40 quilos, o risco já é muito grande. Solicite visitas regulares ao médico mas, não tente interferir no tratamento e atrapalhar a relação de confiança entre o médico e o paciente.

5- Coma separadamente, se você achar que a situação é insuportável e que não consegue mais comer relaxado. Evite que seu filho esteja constantemente na cozinha e cozinhando para os outros. Explique, claramente, o porquê de sua atitude e, em seguida, aja de forma coerente.

6- Não se deixe envolver em discussões sobre comida e peso corporal. Deixe claro que a responsabilidade é dele. Qualquer coisa que você dissesse estaria errada de qualquer maneira. Ponha limitações até que ponto você quer falar sobre o comportamento dele e sobre a doença.

7- Certifique-se de que você está realmente pronto para uma conversa, tanto fisicamente quanto mentalmente. Determine as condições da conversa. Seja autêntico consigo e com seu filho. Não tome atitudes que não sejam compatíveis com os seus sentimentos. Diga o que sente e pensa, fale sobre seus medos e preocupações. Também deixe claro que você buscará ajuda de médicos especialistas.

8- Tanto o pai quanto a mãe devem falar diretamente com o filho sobre o problema. Nenhum dos dois deve ficar sozinho como responsável pela situação. Dividir as responsabilidades e colocar limitações faz parte da cura.

9- Não tome o problema de seu filho como se fosse seu. Você pode se sentir bem mesmo se seu filho não estiver. Cuide da sua saúde e bem-estar, pois será muto pior se você adoecer ou ficar psicologicamente afetado.

10- Faça algo para si mesmo, encontre-se com amigos, crie espaço livre para recarregar suas baterias. Parece paradoxal você se divertir em uma situação em que seu filho parece tão indefeso e necessitado. Mas esta é a única maneira que você pode realmente conseguir alguma coisa e recarregar suas energias.

A anorexia é muito forte e poderosa. Controlar a fome envolve muita disciplina e maestria. A fraqueza de quem sofre com essa doença é a incapacidade de fazer algo de bom para si e de negar suas próprias necessidades. Também é importante que os pais não falem constantemente de forma crítica ou pejorativa sobre o comportamento alimentar e sobre o jovem ou a criança que está sofrendo. Ajudá-lo a fortalecer a autoestima e a autoconfiança e encorajá-lo a rever seu ideal de beleza e os padrões estéticos impostos pela mídia também  ajuda muito.

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Veja os últimos posts

Gente ajudando Gente!

Gente ajudando Gente! Nesse momento o mais importante é a união. Muitos de nós estão passando por momentos difíceis (emocional, depressão e financeiro). Precisamos nos

Continuar Lendo »