Ouvir Pausar

EDUCAÇÃO & NEGÓCIOS

Aumento do preço do Algodão alerta industrias

No mundo, nunca se consumiu tanta soja, tanto algodão e tanto milho, cujos preços dispararam interna e externamente

Aumento  do preço do Algodão alerta industrias
Lavoura de algodão em Mato Grosso (Foto: Ernesto de Souza/Ed.Globo)

Em 2020, o Brasil quebrou recorde de produção e exportação de soja, algodão e milho. Neste ano de 2021, apontam informações vindas do campo, a agricultura brasileira repetirá a boa performance. No mundo, nunca se consumiu tanta soja, tanto algodão e tanto milho, razão pela qual seus preços dispararam interna e externamente.

A China segue liderando as compras. Diante do apetite asiático, os produtores brasileiros de algodão já advertiram os industriais que os preços continuarão elevados. Uma fonte cearense, que atua na compra e venda de algodão, revelou à coluna que a indústria de fiação e tecelagem do Estado, “com duas ou três exceções”, passa hoje por dificuldades por causa da disparada dos preços dessa matéria-prima. “Vai bem quem consegue importá-la, mas quem tem problemas junto a financiadores continuará comprando algodão direto de produtores”, adiantou a fonte, que acrescentou outra informação: “Os industriais de confecções, cuja matéria-prima é o tecido, são os que sofrem mais, porque não conseguem repassar a alta dos custos para a sua clientela do comércio varejista”. 

LEIA TAMBÉM: Agronegócio evitou que desemprego chegasse a 1 milhão de pessoas

As commodities agrícolas foram a causa do bom saldo da balança comercial brasileira em 2020 - de US$ 56 bilhões. O resultado deste exercício de 2021 deverá ser melhor, uma vez que os preços internacionais mantêm o viés ascendente. O Ceará, que está empreendendo um programa de recuperação da cotonicultura, torce, em primeiro lugar, pela volta das chuvas, sem o que a expansão da área cultivada não será possível; em segundo lugar, para que o BNB abra o crédito para os produtores cearenses de algodão.

Sem auxílio

Algo importante preocupa a equipe econômica, o empresariado, algumas responsáveis lideranças políticas e os trabalhadores: neste mês de janeiro, a parte desassistida da população - os desempregados na testa da fila - não terá o Auxílio Emergencial, que se extinguiu no recente dia 31 de dezembro. Sem ele, o consumo, em queda, cairá mais. 

A “geringonça” - coligação de partidos de extrema esquerda, centro esquerda, direita, extrema direita e centro, todos, porém, com o mesmo DNA da fisiologia, formada para a eleição da futura mesa diretora da Câmara dos Deputados - já anunciou que um dos primeiros projetos a entrar na pauta de votação será o que permitirá a ressurreição daquele benefício. Até agora, porém, não foi identificada a origem orçamentária dos recursos que bancarão mais essa despesa. Então, até o dia 1º de fevereiro, senadores e deputados da “geringonça” manter-se-ão de costas para o interesse nacional e de frente para a primeira fase do seu projeto de, legalmente, tomarem o poder antes de 2022, pela via do impeachment.

CSP

Ricardo Cavalcante, presidente da Fiec, ainda está entusiasmado com a reunião que teve sexta-feira com o presidente da CSP, Marcelo Botelho. “Faremos mais esforços juntos”, disse Cavalcante, com a aprovação de Botelho, que, por sua vez, se impressionou muito com o que viu no Observatório da Indústria, a jóia da Fiec.

Comércio internacional

Deficit da balança comercial dos EUA: US$ 867 bilhões, dos quais US$ 297 bilhões só com a China. Estão desempregados lá 10,6 milhões de pessoas. Relação dívida-PIB é de 146% ( a do Brasil é de 91%). Para a fonte destas informações, o Oxford Group, a perspectiva para o futuro governo Biden é boa, mas exigirá muito trabalho.

Com Informações - EGÍDIO SERPA  (Diario do Nordeste)

Acompanhe-nos no Instagram:

https://www.instagram.com/revistanovafamilia