Biocombustíveis: uma perspectiva renovável

Biocombustíveis: uma perspectiva renovável

O petróleo tem sido a principal fonte mundial de energia, alimentando o mercado de combustíveis, a indústria de transformação e as atividades domésticas. Entretanto, o crescente aumento da demanda energética, aliado aos efeitos prejudiciais das mudanças climáticas, impulsionou a busca por processos sustentáveis para a produção de energia e combustíveis. Como consequência, programas para redução do uso de combustíveis fósseis tem se tornado prioritários para empresas e governos e visam a redução de gases poluentes oriundos das atividades produtivas da indústria do petróleo.

Segundo a International Energy Outlook (EIA), estima-se que o consumo mundial de energia deva aumentar cerca 50% até 2035. Desta forma, a menos que a matriz energética mundial seja alterada, a demanda por combustíveis fósseis pode registrar um aumento de cerca de 90% num futuro. Além disso, questões econômicas também impactam a estrutura da matriz energética mundial e exigem a exploração de biocombustíveis como substitutos para combustíveis derivados do petróleo.

Biocombustíveis são combustíveis obtidos por meio da biomassa (microrganismos vivos, de origem vegetal e animal, incluindo alimentos, algas e resíduos animais). Ao contrário dos combustíveis fósseis, os biocombustíveis são considerados fontes renováveis de energia, uma vez que podem ser gerados através do cultivo ou reprodução e causam menores efeitos danosos ao meio ambiente, quando comparado ao processo da indústria petrolífera.

Conforme a aplicação da biomassa original, os biocombustíveis podem ser categorizados em primários e secundários. Biocombustíveis primários utilizam a biomassa inalterada como fonte de energia e são tradicionalmente chamados simplesmente de biomassa. Madeira, gordura animal e resíduo florestal são exemplos comuns de biocombustíveis primários. Por outro lado, biocombustíveis secundários são aqueles produzidos a partir do processamento da biomassa para produzir substâncias com maior conteúdo energético que a original e, comumente, são substitutos potenciais dos combustíveis fósseis. Nesta categoria encontram-se biodiesel, bioetanol e bio-hidrogênio.

Além disso, biocombustíveis líquidos são geralmente preferidos devido a vasta infraestrutura disponível para uso e distribuição, sobretudo para aplicações em transporte. O bioetanol, usualmente conhecido como álcool, é o combustível líquido com maior produção mundial, com destaque para o Brasil e Estados Unidos. No Brasil, o bietanol é produzido essencialmente através do processamento da cana de açúcar. Nos Estados Unidos, o milho é a fonte primária de bioetanol (sendo utilizado em mistura com a gasolina para aplicações automotivas). O biodiesel é o segundo biocombustível mais comum, sendo produzido a partir de plantas oleosas, tais como soja e palma, e sendo utilizado puro em automóveis ou em misturas com o diesel do petróleo.

Assim, diante do panorama energético atual e das mudanças climática atribuídas aos combustíveis fosseis, há um severo esforço para a implementação de biocombustíveis como fonte substituta aos combustíveis convencionais. A expectativa é que em um futuro próximo, os biocombustíveis sejam a principal forma de combustível para o impulso da atividade humana, sendo sustentáveis social, ambiental e economicamente.

Professor Ronaldo Gonçalves –É professor do Departamento de Engenharia Química do Centro Universitário FEI.

Sobre o Centro Universitário FEI

Com 77 anos de tradição, o Centro Universitário FEI é referência entre as instituições universitárias no Brasil, nas áreas de Administração, Ciência da Computação e Engenharia. A Instituição, com campus em São Bernardo do Campo e na capital paulista, já formou mais de 50 mil profissionais, entre engenheiros, administradores de empresas e profissionais da área de Ciência da Computação, muitos ocupando posições de liderança nas principais empresas do País.

Mantido pela Fundação Educacional Inaciana Pe. Sabóia de Medeiros, o Centro Universitário FEI integra a Rede Jesuíta de Educação e agrega marcas históricas de instituições de ensino de São Paulo: Faculdade de Engenharia Industrial, Escola Superior de Administração de Negócios e Faculdade de Informática.

Os cursos oferecidos são Administração, Ciência da Computação e Engenharia – habilitações em Engenharia Civil; Engenharia de Automação e Controle; Engenharia de Materiais; Engenharia de Produção; Engenharia Elétrica; Engenharia Mecânica e Engenharia Mecânica com ênfase Automobilística; Engenharia Têxtil; Engenharia Química e Engenharia de Robôs, que terá sua primeira turma em 2019. Oferece ainda cursos de pós-graduação lato sensu nas áreas de Tecnologia e de Administração, entre outros; mestrado em Administração, Engenharia Elétrica, Mecânica e Química; e doutorado em Administração e Engenharia Elétrica.

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Veja os últimos posts