Bullying pode afetar o desenvolvimento e a constituição da personalidade dos jovens

Bullying pode afetar o desenvolvimento e a constituição da personalidade dos jovens

Problema afeta 150 milhões de crianças e adolescentes no mundo todo, de acordo com dados da Unicef

O bullying nas escolas é um problema recorrente no mundo todo. Levantamento do Fundo das Nações Unidas para a Infância – Unicef mostra que metade dos adolescentes entre 13 e 15 anos, ou cerca de 150 milhões de meninos e meninas, sofre violência corporal ou psicológica por parte dos colegas tanto dentro das escolas quanto nas suas imediações.

Segundo a psicóloga Aline Grou, especialista em Terapia Cognitivo-Comportamental da Clínica Maia, é considerado bullying a prática de atos violentos e intencionais, sejam verbais ou físicos, e que acontecem de modo repetitivo e persistente, sem aparente razão ou motivação clara, com intuito de intimidar, humilhar e maltratar qualquer pessoa que se mostre indefesa. O bullying pode ocorrer em diversos ambientes, porém, atualmente, é visto mais comumente em colégios.

Como identificar se seu filho sofre bullying

É preciso ficar atento a machucados e hematomas que aparecem sem explicação. Se a criança ou adolescente passa a não querer frequentar a escola, e inventa desculpas para faltar constantemente, é bom investigar.

“É importante entender que o problema interfere diretamente no comportamento e no emocional da criança/adolescente, que passa a apresentar isolamento, irritabilidade, agressividade, alterações no sono e no apetite, choro sem motivo aparente e desinteresse pela escola. A vítima do ato pode criar até mesmo meios para não ir ao colégio, inventando dores de cabeça constantes e mal-estar, por exemplo”, alerta Aline.

Aline ressalta, ainda, que o bullying praticado por meninos é feito de maneira mais expansiva e agressiva, com chutes e socos, por exemplo, sendo mais fácil de identificar. Já o bullying praticado por meninas acontece de maneira mais velada, através de fofocas, humilhações e comentários negativos. A vítima é isolada, excluída do convívio, ignorada na realização de trabalhos ou atividades em grupo.

Consequências psicológicas

O bullying afeta seriamente o lado emocional e cognitivo dos jovens. O problema pode ser determinante para o estabelecimento da autoestima e pode influenciar de maneira negativa o desenvolvimento e a constituição da personalidade.

LEIA MAIS: Qual a relação entre jogos de videogame e jovens agressivos?
Como lidar com o luto de crianças e adolescentes no ambiente escolar

O problema também provoca queda no rendimento escolar, evasão da escola, dificuldades de aprendizagem e socialização, e, em casos mais graves, desenvolvimento de depressão, ansiedade e pensamentos autodestrutivos, como o suicídio.

“É essencial que os pais se atentem às mudanças de comportamento do filho. Por isso, esta é uma fase que exige um vínculo forte com a criança/adolescente, mantendo um diálogo aberto, frequente e sem julgamentos. Caso se confirme a suspeita do ato, é fundamental procurar a escola para alertar sobre o que está acontecendo, a fim de exigir que as devidas providências sejam tomadas para evitar que este tipo de situação perdure”, comenta a psicóloga.

Educação contra o bullying

O papel da escola é determinante nesses casos. “Nesse tipo de situação, a escola precisa ficar atenta e intervir rapidamente, comunicando aos pais e encaminhando o agressor para um tratamento psicológico, pois é bem possível que a criança que comete o ato também esteja em sofrimento psíquico”

Também é indicado promover com frequência palestras preventivas sobre o tema, com uma abordagem colaborativa e pacificadora, voltada para resolução de conflitos.

O bullying tornou-se um “fenômeno” tão sério que motivou a regulamentação de novas leis para coibir esse tipo de ação, principalmente no ambiente escolar (lei 13185/2015 e a lei 13.663/2018).

Para a psicóloga, a família é o primeiro grupo social do qual a criança faz parte, portanto é importante os pais observarem os tipos de brincadeira e verbalização que ela apresenta em casa, e chamar sua atenção para atitudes que possam ofender ou constranger o outro, esclarecendo que aquilo não é uma brincadeira.

A Clínica Maia está implementando um programa intitulado Saudável Mente, cujo intuito é abrir um canal especializado de informação nas escolas para que o jovem, o educador e a família possam enxergar a saúde mental sem tabus ou paradigmas, bem como possibilitar a busca da ajuda profissional sempre que necessário.

O projeto visa realizar palestras no ambiente escolar, sendo o primeiro contato feito com os educadores, para que eles possam identificar casos, oferecer ajuda aos estudantes e para que saibam também agir em casos de conflito.

Tratamento para agredidos e agressores

O tratamento das vítimas de bullying é realizado através de psicoterapia individual e envolve treinamento de habilidades sociais, promoção de resiliência e psicoeducação. Como as vítimas do problema apresentam insegurança, baixa autoestima e dificuldades para se expressar e se comunicar, essas técnicas visam trabalhar e modificar esse comportamento, contribuindo para que ela crie habilidades de enfrentamento frente ao agressor ou situações de constrangimento. E a família é extremamente importante neste processo.

“O agressor, por sua vez, também deve passar por tratamento psicológico, pois muitas vezes possui uma autoestima tão baixa quanto a das vítimas, assim como um alto nível de sofrimento emocional, que deve ser acolhido e tratado. Também é importante promover a empatia, criando possibilidades de sensibilização e envolvimento de forma positiva com o grupo/vítima”, completa Aline.

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Veja os últimos posts