Ouvir Pausar

COMPORTAMENTO : Principal motivo para os casais discutirem? A resposta é surpreendente!

Entenda como é que os desentendimentos em questão podem reforçar ou abalar a confiança num relacionamento amoroso.

COMPORTAMENTO : Principal motivo para os casais discutirem? A resposta é surpreendente!
Imagem Ilustração

Depois de mais de quatro décadas a estudar casais, principalmente a forma como gerem discussões de conflito, John Gottman sabe uma coisinha ou duas sobre o assunto. Por isso mesmo, é muito requisitado para dar entrevistas e identificou uma pergunta recorrente: qual é o principal motivo para os casais discutirem?

O fundador do Instituto Gottman deu a resposta durante uma conversa com Anderson Cooper, gravada e transmitida na televisão americana em 2017, e surpreendeu tanto o jornalista quanto o público.

“A verdade é que o principal motivo para os casais discutirem é absolutamente nada”, afirmou. “Os casais discutem sobre nada. Simplesmente acontece”, continuou, passando a dar um exemplo: “Ele tem o telecomando na mão e diz ‘Deixa-me ver o que está a dar’. Ela diz ‘Não, deixa nesse canal’ e ele responde ‘Está bem!’ Ela pergunta ‘o que queres dizer com isso?’ e ele responde ‘Faz as coisas à tua maneira. Tudo tem de ser sempre à tua maneira’, e dá costas. Sobre o que estão a discutir? Nada“.

No site do instituto Gottman, os especialistas sublinham que é nesses momentos aparentemente sem significado podem reforçar ou abalar a confiança num relacionamento. Assim sendo, aquilo que mais importa não é a briga em si, ou o motivo da discórdia, mas sim a resposta às emoções negativas.

Se os casais virem o conflito como uma oportunidade para crescer, podem entrar em sintonia e aumentar a compreensão mútua, o que aprofunda a confiança (um no outro e no relacionamento). Se, por outro lado, ignorarem as emoções negativas nessas situações, até podem fazer as pazes, mas a confiança irá desgastar-se um pouco.

No segundo cenário, com o passar do tempo, incidentes pequenos e insignificantes irão agravar-se até que os parceiros fiquem magoados, tristes e sozinhos. Resultado: em vez de darem as mãos, começam a apontar dedos e a cruzar os braços. Em vez de falarem de forma clara, mesmo quando discordam, magoam-se, e a confiança e conexão começa a erodir.