Confira o passo a passo de uma cirurgia sem riscos para a saúde

Confira o passo a passo de uma cirurgia sem riscos para a saúde

Até na hora de se embelezar é necessário precaução

Todo ano, o Brasil bate recordes de número de cirurgias plásticas realizadas e faz mais procedimentos cirúrgicos do que Japão e México, estando atrás apenas dos Estados Unidos. Esse crescimento se deve ao avanço da medicina, que torna as cirurgias muito mais seguras do que eram antigamente. Os médicos e as tecnologias hospitalares evoluíram muito e até a tão temida anestesia não oferece mais tanto risco de complicações.

Porém sempre é bom tomar alguns cuidados, pois como diz o velho ditado: “Cautela e caldo de galinha não fazem mal a ninguém”. Existem, sim, procedimentos e comportamentos que podem ser um verdadeiro risco à saúde. Para enumerarmos as precauções necessárias antes da tão sonhada — e ao mesmo tempo temida — cirurgia plástica, entrevistamos Arnaldo Korn, que é diretor do Centro Nacional — Cirurgia Plástica:

1. Saúde antes de tudo

É fundamental realizar todos os exames pedidos pelo médico e ter a avaliação dos resultados favorável antes do procedimento. Doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, devem estar controladas. Fumantes precisam estar cientes de que a nicotina prejudica a circulação de sangue nos tecidos, favorecendo a má cicatrização, por isso terão que ficar sem fumar por algum tempo.

2. Cuidado com alguns medicamentos

Há medicamentos que interferem na cirurgia trazendo riscos, aumentando o sangramento e até dificultando a cicatrização. Alguns exemplos são: os fitoterápicos, como ginkgo biloba, cáscara-sagrada e pílulas de alho; as fórmulas emagrecedoras; a aspirina; o AAS; determinados anti-inflamatórios; a isotretinoína — substância derivada da vitamina A, usada no tratamento da acne —; e anticoncepcionais. Ou seja, não dá para esconder nada do médico!

3. Pesquise o cirurgião

Busque referências sobre seu histórico profissional e verifique qual é realmente sua especialidade, seu registro profissional na Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e se tem experiência na área. Se tiver indicação de outros médicos e até de ex-pacientes dele, melhor ainda.

4. Tire todas as dúvidas

A estrutura do local onde será feita a cirurgia plástica também precisa ser profissional e ter ao menos uma miniUTI. Para quem for colocar prótese, também pode questionar qual é a marca e fabricante, para garantir que é certificada pela Anvisa.

5. Evite a pressa na hora de aperfeiçoar a beleza

A opção de mais de um procedimento cirúrgico combinado é muito comum e usual, e muitas clínicas já oferecem essa conveniência — seja para aproveitar o período de internação, submeter-se a apenas uma bateria de exames ou, acima de tudo, realizar vários desejos na mesma hora. Porém é bom lembrar que se o procedimento cirúrgico for de grande porte, os riscos aumentam.

6. Cuidados no pós-operatório

O pós-operatório é a parte mais importante de uma bem-sucedida cirurgia plástica. Por isso é fundamental levar em consideração o tempo, o limite dos movimentos do corpo e seguir corretamente as recomendações de repouso dadas pelo médico. Qualquer negligência quanto a isso será um erro fatal, tanto pela saúde do paciente quanto pelo resultado final da cirurgia, que pode ficar comprometido.

Cada procedimento tem o seu tempo de recuperação e seus cuidados específicos, mas, de forma geral, os principais pontos a serem seguidos são: fazer refeições leves; beber bastante água para se hidratar; repousar sempre na posição mais adequada, de acordo com a cirurgia, e mais confortável para o paciente; trocar o curativo em consultório médico nas datas agendadas; não retirar os equipamentos de proteção, como cintas e drenos; tomar os medicamentos prescritos nas horas certas; evitar exercícios físicos; e sempre consultar o médico antes de tomar qualquer outro tipo de remédio que possa comprometer a recuperação.

Antes de tudo, porém, são necessários vários planejamentos como: quem cuidará dos seus afazeres de casa ou pessoais durante a recuperação; se tem filhos pequenos, quem irá auxiliar no cuidado com eles; se trabalha, quanto tempo necessitará de férias para a recuperação (lembrando que não há licença para cirurgias estéticas); qual transporte utilizará pelo tempo em que não poderá dirigir; e, financeiramente, é preciso pensar no orçamento, se é possível para pagar à vista ou se será melhor buscar facilidades como o parcelamento por meio de um serviço de assessoria administrativa financeira, igualmente ao que é feito pelo Centro Nacional — Cirurgia Plástica.

Com todos esses cuidados, dá para encarar o sonho da cirurgia plástica com segurança e muita saúde!

*Por Arnaldo Korn

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Veja os últimos posts