Cuidado com as fake news: vacina contra a gripe é essencial para boa saúde

Cuidado com as fake news: vacina contra a gripe é essencial para boa saúde

Somente em São Paulo, expectativa do Ministério da Saúde é de imunizar 13,2 milhões de pessoas.
Vacinação é crucial para os portadores de doenças cardiovasculares

Com a chegada do outono, as temperaturas começam a cair e a umidade do ar vai diminuindo paulatinamente, exigindo mais cuidados preventivos contra gripes, pneumonias e problemas respiratórios em geral. Por isso, a vacinação é essencial para reduzir esses e outros tipos de problemas de saúde na população.

Nessas épocas, surgem as chamadas fake news sobre a imunização. Textos afirmando que as vacinas deixam as pessoas doentes, falta de eficácia contra os vírus e até uma supergripe são comuns e se espalham rapidamente pelas redes sociais.

No entanto, a Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp) reafirma a importância da vacinação, principalmente em pessoas que têm problemas cardiovasculares. Este público deve redobrar os cuidados, para evitar que a ocorrência de doenças respiratórias provoque complicações e riscos.

A Socesp sugere algumas medidas aos cardíacos: evitar ficar por muito tempo em locais fechados e aglomerados; manter os ambientes arejados; beber bastante água para se manter bem hidratado; reduzir a exposição à poluição do ar.

Vacina contra a gripe e pneumonia é muito importante. Por isso, a Socesp recomenda que se procure uma unidade pública ou particular de imunização, levando a carteirinha de vacinação. A campanha deste ano começou em 10 de abril. Esta é uma medida preventiva muito recomendada para quem tem qualquer problema cardiovascular e fatores de risco, como diabetes, obesidade e pressão alta.

Até 31 de maio, o Ministério da Saúde pretende imunizar 58,6 milhões de pessoas. Somente em São Paulo, o público-alvo é formado por 13,2 milhões de pessoas. A faixa-etária do público infantil foi ampliada: antes, menores de até 5 anos poderiam tomar a vacina; em 2019, menores de até 6 anos podem ser imunizados.

A partir de 22 de abril, a campanha abarca os outros públicos-alvo: trabalhadores de saúde, povos indígenas, mulheres até 45 dias após o parto, idosos a partir de 60 anos, professores, pessoas portadoras de doenças crônicas, população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional, gestantes e crianças de seis meses a menores de seis anos. O Dia D de mobilização ocorre em 4 de maio.

Por SOCESP

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Veja os últimos posts

Gente ajudando Gente!

Gente ajudando Gente! Nesse momento o mais importante é a união. Muitos de nós estão passando por momentos difíceis (emocional, depressão e financeiro). Precisamos nos

Continuar Lendo »