Ouvir Pausar

Desmatamento ameaça segurança do Brasil, diz conselho militar internacional

Analistas e militares também apontam para riscos de envolvimento do crime organizado e do abalo à legitimidade do Estado.

Desmatamento ameaça segurança do Brasil, diz conselho militar internacional
Imagem: Ministério da Defesa

Nesta semana, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais revelou que desmatamento na Amazônia cresceu 9,5% entre agosto de 2019 a julho de 2020 e a região perdeu 11.088 km² de floresta, um recorde  

Num informe publicado nesta semana, militares e estrategistas estrangeiros deixaram claro que a situação do desmatamento na Amazônia não é apenas uma questão de proteção do meio ambiente. "A Amazônia em risco coloca em risco a segurança do Brasil"; disse o informe preparado pelo Conselho Militar Internacional sobre Clima e Segurança. 

A entidade é formada por líderes militares, especialistas em segurança e instituições de segurança de 38 países, dedicados a "antecipar, analisar e enfrentar os riscos de segurança de um clima em mudança de um clima em mudança 

Para o grupo, líderes brasileiros precisam colocar mudanças climáticas e o combate contra o desmatamento como uma "prioridade de segurança", e garantir que a segurança da nação esteja "à prova do clima'' 

"O Brasil não está adequadamente preparado para os impactos dos fatores de estresse relacionados às mudanças climáticas previsíveis em sua segurança, economia, base de recursos naturais e infra-estrutura nacional crítica, especialmente suas usinas hidroelétricas e instalações militares", indicam. 

Desmatamento e crime organizado

Para os analistas militares, o desmatamento é também um risco de envolvimento criminoso. "As comunidades de segurança da região também deveriam se preocupar com a destruição ilícita da floresta, uma vez que os autores de crimes ambientais muitas vezes cometem crimes associados, como a venda ilegal de madeira serrada",indicou.

Assim, os militares alertam que "o desmatamento ilegal apresenta o maior risco ambiental para o Brasil, mas também representa uma ameaça à segurança pública, dados os impactos de tal atividade criminosa em larga escala sobre a legitimidade do Estado". "Os crimes cometidos em escala industrial minam a estabilidade e a legitimidade do Estado. Nesse contexto, o desmatamento ilegal deve ser enfrentado com a reintrodução da estrutura contra desmatamento que teve sucesso na maior parte das duas décadas anteriores", sugerem. 

"Neste contexto, o governo brasileiro deveria se envolver em um esforço significativo para reduzir o desmatamento e cumprir com as metas climáticas internacionais, a fim de evitar as ramificações de segurança potencialmente catastróficas das atuais trajetórias de emissão de gases de efeito estufa", pedem os militares. 

Agricultura sob risco

Outra consequência pode ser na própria agricultura nacional. "As mudanças climáticas e a variabilidade da precipitação ameaçam a segurança da água e a produtividade agrícola em grandes partes do Brasil", disse. "Essa vulnerabilidade, combinada com outros desafios, pode resultar em crises hídrica e alimentar. Sob algumas condições, isso pode contribuir para a agitação política, o que pode colocar tensões significativas na capacidade do governo federal de ajudar os governos locais a fornecer bens e serviços públicos", alertou. 

"Se a falta de politicas ambientais persistirem, existe a possibilidade distinta de que um processo de 'savanização' comece em algumas regiões, com a consequência de que porções antes muito úmidas da Amazônia fiquem mais secas e tenham estações de seca muito mais longas, semelhantes às das savanas tropicais da África e da Ásia", indicou o informe.

"Caso este cenário se desdobre, mesmo que parcialmente, geraria graves consequências para a segurança, incluindo migrações das regiões florestais, secas que podem afetar o desempenho das hidrelétricas e impactos severos nas principais regiões agrícolas do Brasil, afetando a segurança alimentar", completou.

 

"A mensagem para o Brasil é clara: deter o desmatamento e comprometer-se novamente a reverter a escala e o alcance da mudança climática. Caso contrário, as consequências da segurança para o Brasil serão severas e potencialmente catastróficas. Resumindo, o Brasil precisa de proteger sua segurança contra o clima", disse.