Dia do teste do pezinho: tire as principais dúvidas sobre o procedimento

Dia do teste do pezinho: tire as principais dúvidas sobre o procedimento

A coleta de uma pequena amostra de sangue do calcanhar do bebê é o suficiente para identificar a probabilidade do surgimento de algumas doenças metabólicas, genéticas ou infecciosas que causam danos à saúde e sequelas por toda a vida. Mas você sabe como funciona esse exame popularmente chamado de “teste do pezinho” e que é obrigatório no país? A pediatra do Hospital Edmundo Vasconcelos, Ana Paula Sakamoto, tira algumas dúvidas sobre o procedimento:

1. Qual a importância de realizar o teste?

O teste do pezinho, ou triagem neonatal, de acordo com a pediatra, é capaz de identificar recém-nascidos com alta probabilidade de apresentar algumas doenças metabólicas, genéticas ou infecciosas que podem causar problemas à saúde.

A médica lembra que o teste por si só não faz o diagnóstico, pois a maioria dos bebês não manifesta nenhum sinal ou sintoma nos primeiros dias de vida. Por isso, quando o resultado dá positivo é preciso realizar exames específicos, para então, confirmar o diagnóstico.

2. Quando deve ser feito o teste?

O ideal é que o teste seja coletado 48 horas após o nascimento do bebê, de preferência entre o terceiro e o quinto dia de vida. Este período, segundo a especialista, deve ser respeitado para aumentar o raio de identificação de doenças, já que nas primeiras horas de vida algumas enfermidades não são detectadas.

Assim como realizar o procedimento antes do tempo sugerido não é aconselhável, coletar depois deste período também. Ana Paula ressalta que isso pode atrasar as intervenções e o tratamento específico caso seja detectado algum problema.

3. A amamentação pode interferir no resultado?

Sim. De acordo com a especialista, é importante que a coleta seja feita após 48 horas de amamentação, pois a análise pode sofrer influência das alterações hormonais e metabólicas que naturalmente ocorrem com a transição da vida fetal para a vida pós-natal.

No caso da fenilcetonúria, doença que pode ser identificada no teste, é necessário que o bebê tenha recebido alimentação proteica, ou seja, leite materno ou fórmula láctea, por no mínimo 24 horas antes da coleta.

4. Por que o sangue é retirado do calcanhar?

A escolha por retirar as gotas do calcanhar é feita por ser uma região rica em vasos sanguíneos, tornando a intervenção menos dolorosa ao bebê.

5. Há diferentes testes de pezinho? Qual a diferença entre eles?

Atualmente existem quatro tipos de exames, e a escolha, como lembra Ana Paula, deve ser ponderada entre os pais e a equipe médica.

– Teste Básico: obrigatório por lei em todo país e disponível na rede pública. Neste tipo, são testadas as doenças: Fenilcetonúria, Hipotireoidismo congênito, Fibrose Cística, Anemia Falciforme e outras hemoglobinopatias, Hiperplasia Adrenal congênita e Deficiência de Biotinidase.

 Teste Ampliado ou MAIS: Neste procedimento está incluso o teste de todas as doenças do Básico, mais Deficiência de G6PD, Galactosemia, Leucinose, Toxoplasmose congênita.

 Teste Expandido ou SUPER: Compõe a triagem de 48 doenças – 10 doenças triadas no teste Ampliado mais 38 outras doenças.

– Teste para imunodeficiências congênitas (SCID e AGAMA): Detecta um grupo de doenças genéticas graves que se caracterizam pela não produção de células de defesa T e/ou B, nem de anticorpos protetores.

*Por Drª Ana Paula Sakamoto

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Veja os últimos posts