Dia Nacional de Combate ao Colesterol: a importância de hábitos saudáveis para prevenção e tratamento

Dia Nacional de Combate ao Colesterol: a importância de hábitos saudáveis para prevenção e tratamento

O Dia Nacional de Combate ao Cesterol. Segundo levantamento da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), os níveis de colesterol elevados têm atingido aproximadamente quatro entre dez brasileiros adultos. 

O histórico familiar, sexo, idade e hábitos do paciente devem ser levados em consideração na hora de solicitar o check-up, uma vez que a doença não apresenta sintomas expressivos, mas tem fatores de riscos, como diabetes, estresse, alto consumo de bebidas alcoólicas, sedentarismo e tabagismo.

A médica do Seconci-SP (Serviço Social da Construção), Priscila Cardozo, explica que o colesterol é um tipo de gordura presente no sangue classificada como HDL, bom, e LDL, ruim, responsável por processos inflamatórios nos vasos sanguíneos. 

“Durante as consultas de rotinas, os médicos costumam solicitar exames de sangue para analisar a dosagem das gorduras favoráveis e prejudiciais para a circulação sanguínea. Estas últimas podem causar doenças arteriais periféricas, cardíacas e cerebrovasculares. As mais graves são o AVC e o infarto”, explica

A partir do diagnóstico e dos valores de gordura indicados pelos exames, será possível definir o tratamento mais adequado.

O tratamento não se limita apenas a medicamentos, por isso novos hábitos como dieta equilibrada e atividades físicas fazem toda a diferença, além de contribuírem para melhorar ou evitar diversas outras doenças.  A substituição de algumas comidas, como arroz branco por integral, carne vermelha por branca, e a inclusão no cardápio de fibras naturais, aveia, frutas, legumes e verduras, favorecem a dieta e o controle da gordura no sangue. “É importante também evitar o consumo de alimentos fritos em óleo e incluir a prática de atividades físicas, de pelos menos de 150 minutos por semana, como recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS)”, ressalta a médica.

A prevenção requer exames anuais para homens acima de 35 anos e mulheres depois dos 45, visto que após a menopausa os riscos podem aumentar, de acordo com o Ministério da Saúde.

Por Harley Moreira

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Veja os últimos posts