8 dicas para uma rotina de beleza mais natural e sustentável

Cosméticos naturais

Sustentabilidade vai além de separar o lixo reciclável e evitar sacolinhas de mercado. Investir em produtos de fabricantes engajados a causas sustentáveis é uma forma de preservar o planeta e respeitar os animais e o ciclo de produção de pequenas comunidades.

Aqui, a expert Patrícia Lima, fundadora da Simple Organic, marca brasileira sustentável de cosméticos naturais, orgânicos, veganos, cruelty-free e sem gênero, mostra o caminho para adotar hábitos mais sustentáveis também na hora de cuidar da pele e dos cabelos. Confira:

1. NÉCESSAIRE NATURAL

“Dê mais espaço a marcas de cosméticos que defendam a bandeira da beleza natural e consciente”, diz Patrícia.

Procure nas embalagens os selos de entidades certificadoras, como Ecocert e IBD (orgânicos), Leaping Bunny (cruelty-free, ou seja, sem sofrimento animal) e Selo Vegano, da Sociedade Vegetariana Brasileira (cruelty free e sem matéria-prima animal).

2. EU RECICLO, TU RECICLAS

Para não prejudicar o meio ambiente, também é importante ficar atenta ao processo e cadeia de produção dos cosméticos que compra. Prefira embalagens com refil e recicláveis.

Busque também selos como o “Eu Reciclo” estampados na embalagem. “Ele é um certificado de logística reversa por compensação ambiental.

Através dele, a Simple Organic, por exemplo, remunera cooperativas para reciclarem uma quantidade de resíduos equivalentes aos de suas embalagens.

Com isso, além de ajudar o meio ambiente, ela também contribui para o desenvolvimento do setor de reciclagem ao gerar uma renda extra para esses cooperados”, esclarece a fundadora da marca, que possui o selo desde 2017.

3. DE OLHO NO RÓTULO

Confira os ingredientes: você não precisa ser um expert em química ou cosmetologia para saber que alguns deles podem ser nocivos ao nosso organismo.

Petrolatos, formaldeídos, parabenos e triclosan, frequentemente encontrados em composições de cosméticos, são alvo de pesquisas sobre seus possíveis malefícios.

4. MIL E UMA UTILIDADES

Sempre que possível, escolha produtos que tenham mais de uma utilidade, como bastão multifuncional que pode ser usado como sombra, batom e blush, um duo que serve como contorno facial, sombra e corretivo de sobrancelhas, um hidratante que pode ser utilizado tanto no rosto quanto no corpo etc.

“Além de utilizarem menos recursos do ambiente, produtos com mais de uma função são práticos e economizam espaço na bolsa e no nécessaire”, completa Patrícia.

5. FAÇA VOCÊ MESMO

Além de priorizar produtos com refil e embalagens feitas de material reciclado, como papelão, dê preferência às empresas que tenham ações de impacto socioambiental positivo, com o apoio a Ongs, cooperativas, pequenas comunidades e fabricantes locais.

Também busque ressignificar embalagens de vidro de cremes e produtos de beleza de forma criativa, customizando-os para que virem itens de decoração ou objetos funcionais, como vaso para flores e porta-canetas.

6. TROCA COM TROCO

Existem marcas que oferecem desconto na devolução de embalagens vazias na compra de um novo produto. Esse tipo de ação incentiva o recolhimento de frascos, potes e outros recipientes de produtos de beleza.

Se o objetivo é neutralizar o descarte indiscriminado de resíduos na natureza, por que não praticar o descarte sustentável das embalagens depois que o produto termina?

7. PREÇO X QUALIDADE

Preço não é desculpa: a beleza natural está cada vez mais democratizada e acessível. Escolha seus produtos pela qualidade dos ativos.

“Há diversas opções no mercado de marcas de cosméticos naturais, orgânicos, veganos e livre de crueldade animal com preços que competem com os de marcas tradicionais”, diz Patrícia.

Se a alternativa para cosméticos com potencial cancerígeno ou com alto poder alérgeno existe, porque não optar por elas?

8. BOLINHAS PERIGOSAS

Fique atento ao esfoliante facial ou corporal que usa. Em geral, eles contêm microesferas de plástico (polipropileno) para promover a renovação da pele.

Essas bolinhas parecem inocentes, mas acabam indo para os oceanos, onde são engolidas por peixes. “Ao consumirmos esse peixe, também somos contaminados nesse ciclo. Por isso, prefira os formulados com sal marinho”, finaliza Patrícia.

Comentários