Em declaração polêmica, Donald Trump diz que os EUA precisam de imigrantes

26

Presidente americano deseja ver imigração legal levando pessoas capacitadas para responder por grandes negócios no país

Na última quarta-feira (6), um pronunciamento do Presidente Donald Trump surpreendeu os repórteres na Casa Branca. Conhecido por suas políticas duras relacionadas a imigração, o líder afirmou que os Estados Unidos precisam de imigrantes, mas pessoas com perfis específicos e que imigrem legalmente.

“Eu preciso que as pessoas venham aos Estados Unidos para administrar fábricas, gerenciar empresas e atuar nas indústrias que estão voltando ao nosso país. Nós precisamos de pessoas”, afirmou em pronunciamento.

O número de imigrantes indocumentados nos EUA caiu para seu nível mais baixo em mais de uma década, de acordo com as novas estimativas do Pew Research Center, baseadas em dados divulgados pelo próprio Governo. O declínio deve-se quase inteiramente a uma queda acentuada no número de mexicanos que entram no país sem autorização legal pela fronteria.

LEIA MAIS: Número de imigrantes indocumentados nos EUA é o menor em uma década
Unesco lança Biblioteca Digital Mundial com materiais em mais de 50 idiomas

Entre 2007 e 2016, a população imigrante não autorizada encolheu 13%. Em contraste, a população legal de imigrantes cresceu 22% durante o mesmo período, um aumento de mais de 6 milhões de pessoas. Em 2016, os EUA abrigaram um total de 34,4 milhões de imigrantes legais, cidadãos naturalizados e não-cidadãos, em vistos permanentes e temporários.

NOVO PERFIL IMIGRATÓRIO

Nos EUA, já é possível ver profissionais japoneses trabalhando em Manhatan, Engenheiros Canadenses atuando na Flórida e brasileiros com qualificação profissional excelente atuando em cargos de alto comando em empresas americanas.

Este fenômeno encontra base na oferta de vistos de habilidades extraordinárias e profissionais (EB1-A, EB-2, entre outros) pelos EUA, que premiam com o documento de residência permanente (o Green Card) profissionais com carreiras excelentes e com alto nível técnico. Profissionais das áreas de engenharia, arquitetura, TI, saúde e arte, bem como gestores de grandes empresas e atletas podem submeter seus currículos ao crivo de análise do Governo Americano e entrar nos EUA pela porta da frente.

Esta é uma saída que cada vez mais brasileiros estão optando para internacionalizar suas carreiras. Brasileiro, o empresário e jornalista Rodrigo Lins, conquistou o sonhado ‘Green Card’ para residir permanentemente nos Estados Unidos, por meio de um visto de habilidade extraordinária. Para ele, o sistema imigratório americano tem privilegiado os cérebros e talentos profissionais de estrangeiros.

“Passamos por uma grande mudança de perfil imigratório aqui nos EUA. Há pouco mais de 10 anos os imigrantes brasileiros eram atraídos por ofertas de trabalho em funções operacionais e mais braçais no território americano. Ao chegar nos EUA comecei um estudo sobre as possibilidades imigratórias permanentes para estrangeiros e me deparei com a categoria de Green Cards concedidos pelo Governo americano para profissionais de sucesso vindos de outro país – o conhecido ‘Visto Einstein'”.

Para Lins, a internacionalização de carreiras é uma forma de ‘entrar pela porta da frente’ nos Estados Unidos com reconhecimento do mérito intelectual do profissional. Neste ano, o jornalista lança o livro “Internacionalize-se”, para contar sua experiência e consolidar uma espécie de ‘manual de internacionalização de carreiras profissionais para os EUA’. O livro explica desde os principais tipos de visto imigrantes e não imigrantes, até metodologias para aplicação e tramitação do processo.

“O processo para obtenção dos documentos de residência permanente exige a contratação de advogados de imigração especializados na lei americana. Mas, no todo, basta que o profissional apresente provas de sua carreira bem sucedida para que mereça a avaliação do seu pedido em território americano. É uma oportunidade espetacular para àqueles que querem ter a chance de morar e trabalhar legalmente nos EUA”, explica Rodrigo Lins.