Empreendedorismo étnico fatura prêmio nacional

empreendedor negro

Empreendedorismo étnico fatura prêmio nacional

Empreendedorismo étnico fatura prêmio nacional. Há 18 anos, Adriana Barbosa criou a Feira Preta para estimular o empreendedorismo entre a população negra nacional.

O festival evoluiu para a PretaHub, uma plataforma com:

  • 200 mil participantes;
  • 700 expositores;
  • 2 mil negócios impactados no AfroLab e AfroHub, sendo que 89% obtiveram aumento no faturamento.

As ações da plataforma já estão em 13 Estados. A empreendedora social conquistou o Troféu Grão, que integra o Prêmio Empreendedor Social 2019.

Graduada em gestão de eventos com especialização em gestão cultural pelo Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Cultura e Comunicação (CELACC) da ECA-USP:

  • Adriana Barbosa percebeu que, enquanto a economia brasileira se desenvolvia, também se desenvolvia o poder do Black Money – dinheiro produzido por negros e negras e que circula entre negros e negras.

Apostei em uma ideia bastante óbvia, mas que ainda não tinha sido devidamente trabalhada:

  • um empreendimento econômico-cultural com caráter étnico.

É o que afirma a empreendedora social.

Hoje, a Feira Preta – principal iniciativa da PretaHub -, é o centro de tendências afro contemporâneas do mercado e das artes, além de ser o espaço para valorizar iniciativas afro empreendedoras de diversos segmentos.

Entre os planos futuros, Adriana deseja que a PretaHub se torne referência mundial em inclusão econômica por meio do empreendedorismo da população negra.

“Queremos interação global, começando pela América Latina.

Para isso, precisamos olhar o que está acontecendo na Colômbia, segunda maior população negra das Américas.

Países africanos de língua portuguesa também são um desejo.

Queremos provocar o intercâmbio de boas práticas, diz Adriana, acrescentando que para ampliar o alcance, o Hub deve transformar a marca _Feira Preta_ em licenciamento de produtos de grandes empresas.

A empreendedora social conquistou o Troféu Grão, que integra o Prêmio Empreendedor Social 2019.

SOBRE O PRÊMIO EMPREENDEDOR SOCIAL

Pioneiro e comprometido em identificar inovações sociais e ambientais brasileiras, o concurso que envolve as categorias Prêmio Empreendedor Social e Prêmio Empreendedor Social de Futuro já reconheceu 112 gestores – entre finalistas e vencedores -, conferindo chancela e visibilidade internacional para líderes de iniciativas de impacto social que estão mudando a forma de fazer negócios no Brasil.

A premiação é o passaporte para entrar na Rede Schwab e participar de encontros do Fórum Econômico Mundial; os ganhadores e finalistas têm acesso, também, a premiações que totalizam R$ 400 mil em mentorias, capacitações e cursos de qualificação em instituições renomadas, como Insper e Fundação Dom Cabral.

O maior concurso de empreendedorismo socioambiental da América Latina e um dos mais relevantes do mundo, contou com sete finalistas na edição 2019.

Na categoria principal, estão:

  • Alcione Albanesi (Amigos do Bem)
  • Guilherme Brammer Junior (Boomera)
  • Thomaz Srougi (Dr. Consulta)

Na categoria Empreendedor Social de Futuro, os finalistas são:

  • Diogo Tolezano (Pluvi.On)
  • Gustavo Glasser (Carambola);

No Troféu Grão, dedicado a causas, a final será disputada por:

  • Adriana Barbosa (Preta Hub)
  • Laís Higashi (Litro de Luz)

SOBRE A PREMIAÇÃO

Criado em 2005 pela Folha de S.Paulo e Fundação Schwab, o Prêmio Empreendedor Social é destinado a gestores de iniciativas com mais de três anos de atuação em setores como:

  • saúde
  • educação
  • tecnologia assistiva
  • meio ambiente
  • entre outros

As iniciativas de negócios de impacto social e startups com foco socioambiental – que estão em fase inicial (de um a três anos) – podem se inscrever para o Prêmio Folha Empreendedor Social de Futuro, destinado a empreendedores com até 35 anos.

Além da projeção nacional e internacionalmente dos líderes selecionados, a Folha de S.Paulo e a Fundação Schwab – correalizadora do Fórum Econômico Mundial de Davos e idealizadora da premiação no mundo – oferecem um alto nível de qualificação e networking, viabilizando aos premiados a conquista de maiores e melhores indicadores em sustentabilidade, impacto social direto e indireto, influência em políticas públicas e escalabilidade para seus projetos.

O Prêmio Empreendedor Social tem patrocínio de Coca-Cola, IEL, uma iniciativa da CNI (Confederação Nacional da Indústria), Fundação Banco do Brasil e Cervejaria Ambev. Conta com apoio do Instituto Porto Seguro.

British Council, Faap, Fundação Dom Cabral; Insper e UOL são parceiros estratégicos.

Por Redação

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Veja os últimos posts