Enxaqueca atinge duas vezes mais mulheres; conheça novo tratamento biológico

Enxaqueca atinge duas vezes mais mulheres; conheça novo tratamento biológico

Nova terapia usa anticorpos monoclonais para estimular uma resposta do organismo e bloquear moléculas do sistema nervoso relacionadas à enxaqueca

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) , a enxaqueca (ou migrânea) atinge um homem a cada duas mulheres. Cerca de 15 a cada 100 brasileiros sofre desse mal, o que equivale a 30 milhões de pessoas no país.

No mundo, é a terceira doença mais prevalente, e ocorre no auge da idade produtiva, entre os 35 e 45 anos. Isso significa um impacto considerável na rotina e no trabalho dessas pessoas, já que, durante as crises, os portadores da doença ficam temporariamente incapacitados.

A maior incidência em mulheres pode estar associada à hereditariedade, bem como ter relação com as variações hormonais que as mulheres enfrentam ao longo da vida. “Um dos principais gatilhos da enxaqueca refere-se à queda dos níveis de estrógeno durante a menstruação ou menopausa, o que faz com que as dores ocorram com maior frequência. Há diversos outros aspectos que influenciam, tais como predisposição genética para a enxaqueca, hipersensibilidade cerebral e estresse”, diz Mario Peres, neurologista da Sociedade Brasileira de Cefaleia.

“A mulher já é julgada socialmente, e a mulher com enxaqueca acaba sendo julgada duplamente. Isso porque muitas pessoas não compreendem a doença, por vezes incapacitante. Trata-se de uma doença invisível, mas com impacto devastador”, diz Peres.

A OMS estima que os custos diretos e indiretos da enxaqueca, incluindo a perda de produtividade, chegam a 27 bilhões de euros na Europa e 20 bilhões de dólares nos Estados Unidos, por ano.

Inovação no tratamento

A boa notícia é que, com os avanços da medicina, tratamentos cada vez mais específicos estão sendo lançados. É o caso da molécula erenumabe, tratamento biológico capaz de bloquear diretamente o ciclo da doença com ação profilática, ou seja, ela reduz a ocorrência de crises, ou evita seu início. O novo tratamento, já aprovado em 2018 nos Estados Unidos (FDA) e na Europa (EMA), deve chegar ao Brasil ainda no primeiro semestre.

LEIA MAIS: Importância da vitamina D para a fertilidade dos casais
Como ajudar pessoas com Síndrome de Burnout?

“Um dos principais diferenciais da medicação é que ela praticamente não oferece efeitos colaterais. O fármaco, aplicado via injeção subcutânea, é um anticorpo monoclonal sintetizado em laboratório. Os anticorpos acabam sendo direcionados para o bloqueio da CGRP, molécula do sistema nervoso relacionada à enxaqueca. Quando a nova molécula se associa à CGRP, há diminuição das crises”, explica Peres.

Informação e interatividade

Para contribuir com informações aos pacientes, a Novartis, produtora do erenumabe, desenvolveu o site www.maisumdiasemenxaqueca.com.br, com informações sobre enxaqueca, passando pela descrição da doença, diagnóstico e tratamento, dicas de qualidade de vida e notícias sobre o tema. O canal tem ainda uma fanpage no Facebook: /maisumdiasemenxaqueca.

No site, o usuário pode participar do quiz “Dor de cabeça ou enxaqueca – entenda a diferença” e saber mais sobre o diagnóstico da enxaqueca, a relação entre produtividade e gatilhos como hereditariedade, alimentação e estilo de vida.

Além do portal, a empresa também lançou o aplicativo Migraine Buddy, um diário digital da doença para o paciente registrar suas crises e sintomas associados, além de outras funcionalidades. O app está disponível para dispositivos Apple e Android.

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Veja os últimos posts