Felizes para sempre! Será?

separacao

Felizes para sempre! Será?

Felizes para sempre! Será? Diz o velho ditado: antes só do que mal acompanhado. Não é à toa que muita gente se identifica com a expressão popular quando se trata de relacionamentos.

Mas, mesmo com uma lista enorme de problemas e motivos para se separar, muitos casais continuam juntos. Mais vale um pássaro na mão do que dois voando, não é mesmo? Nem sempre. Pense bem.

Talvez você acredite que é difícil mudar e enfrentar o desconhecido. Por isso, continua na mesma situação. Mas, saiba que vale a pena tomar coragem e buscar uma saída, seja para melhorar a relação ou partir para outra.

O primeiro passo é entender porquê vocês permanecem juntos apesar dos pesares.

1. Medo da solidão

Dependência emocional, medo de ficar sozinho e de não conseguir trilhar o próprio caminho são alguns dos motivos mais comuns.

Você sabe que a relação vai de mal a pior e sempre pensa em mudar. Há tempos que você está infeliz, mas fechar a porta e deixar tudo para trás é assustador. O que muitas pessoas não percebem é que se manter em uma relação assim é como estar só no meio de uma multidão.

Por isso, você deve encarar a situação e fazer a escolha por você mesmo e sua vida. Pode parecer assustador, no início, mas é a direção certa rumo à independência emocional, a satisfação e o bem-estar.

2. Dependência financeira

Não é só por medo da solidão que muita gente fica preso a relacionamentos falidos. Em alguns casos, é o parceiro quem leva o dinheiro para casa. Se você não tem uma profissão para se manter e caminhar com suas próprias pernas, por exemplo, fica muito mais difícil a separação.

O preço a ser pago é alto demais. Pense se o medo de perder o padrão de vida e de não ter como se sustentar não estão te prendendo a uma situação que não te faz bem. Há pessoas que entram em depressão por não enxergar saída.

Nesse caso, agir é melhor do que ficar parado. Faça um plano e procure dar um passo de cada vez. Toda a mudança pode parecer desafiadora demais. Pense apenas na próxima etapa. Um dia após o outro.

3. Conformismo e falta de auto-estima

Você pode achar que é normal viver assim ou acreditar que não merece mais do que tem. Quem, infelizmente, cresce em um ambiente de violência ou de falta de amor pode internalizar essa situação e, na vida adulta, acreditar que isso é normal.

Apesar de ser absurdo, a pessoa tem a crença de que ter um relacionamento, por si só já é o suficiente. Ela acha que teve sorte por estar com alguém, mesmo sendo uma relação ruim. A baixa ou falta de auto-estima leva a pessoa a pensar que não merece o melhor.

Se esse é o seu caso, é importante procurar ajuda para tratar os traumas e conquistar mais confiança e amor próprio. Só você pode ser dono de sua felicidade.

4. Preocupação com os filhos

Muitos casais acham que devem ficar juntos pelo bem dos filhos. Porque eles são pequenos e precisam dos pais. Ou por acreditar que eles vão ficar traumatizados com a separação. A verdade é que as crianças precisam de um ambiente saudável, estável, livre de discussões e atritos constantes.

Manter um relacionamento ruim pode ter até o efeito contrário. Pode fazer com que os filhos se sintam culpados pela tristeza dos pais. O que os filhos precisam, acima de tudo, é ver os pais em harmonia, vivendo relacionamentos afetuosos.

Uma relação conflituosa entre os pais é uma tortura para a família. O rompimento pode até trazer mais tranquilidade. Ter calma em todos os momentos e dividir o tempo com os filhos após a separação é a melhor solução.

5. Esperança de mudança

Desta vez, ele vai mudar! Em breve, tudo será diferente! Logo, isso vai passar e tudo vai ser como antes. Parece bom ser otimista, ter esperança e achar que tudo vai melhorar. Mas, anos e anos se já se passaram e nada mudou.

Às vezes até piorou, e muito. Todos nós conhecemos um caso assim. Relacionamentos ruins se arrastam por anos, gerando um ciclo de tensão e infelicidade. Tanta energia desperdiçada em uma relação que já acabou.

Em vez de apostar em uma melhora que nunca chega, devemos nos concentrar no que realmente importa: nós mesmos!

6. Ninguém me quer

Outra situação comum é acharmos que nunca mais encontraremos alguém. Todos nós temos inseguranças. Isso é normal. E depois de algum tempo em um relacionamento, você pode pensar que é difícil se relacionar com outras pessoas.

Que você não será aceito e ficará sozinho para sempre. O medo de ser rejeitado é tão grande que você acaba ficando e aceitando muito menos do que realmente merece.

Às vezes isso acontece justamente porque o parceiro atual faz você se sentir mais inseguro, dizendo que só ele te aguenta e que ninguém mais tem interesse por você. Isso não é verdade. Provavelmente, essa pessoa está te manipulando e destruindo sua auto estima. Mais um motivo para tomar coragem e virar a página.

7. Dissonância cognitiva

Quanto mais vivermos uma vida falsa, maior será a pressão interna para corrigi-la, para justificá-la a nós mesmos; caso contrário, não seremos capazes de suportar a tensão entre o que vivemos e o que realmente achamos certo.

Acreditamos que, depois de tanto tempo em um relacionamento fracasado, não podemos simplesmente andar, mudar, deixar acontecer porque tudo foi em vão.

De fato, esses investimentos não devem ter um papel em sua decisão. Eles passaram, de um jeito ou de outro. Como um pseudo-argumento pode nos servir: Eu já estou tão velho, será que vale a pena mudar? Já me falta poucos anos de vida! Não importa quantos anos você tem. Sempre podemos começar de novo.

8. Força do hábito

De vez em quando confundimos amor com hábito. O principal motivo é que ambos são muito fortes. Achamos que amamos e somos amados quando, na verdade, estamos apenas acostumados a viver com aquela pessoa.

Estamos juntos há tanto tempo, conhecemos nossos defeitos, isso não quer dizer necessariamente que vocês se amam. Podem até ser próximos, mas nem sempre há intimidade e profundidade na relação.

9. Procurando responsabilidade

Pare e pense: depende apenas de mim este relacionamento? Por exemplo, para não se sentir tão exposto, traiu a vida e o parceiro por anos preciosos que poderiam ter sido tão bons.

Então, procuramos nossa contribuição e, se não a encontrarmos, a inventamos. Ainda pode ser mais fácil suportar do que perceber que você era apenas infeliz e não pode fazer nada para salvar a parceria.

10. Culpa da separação

Não posso abandoná-lo, sinto muito por ele. Ele precisa de mim. Sem mim, ele não é ninguém. Será que acontecerá uma desgraça de eu me separar? A verdade é que prejudicamos o outro mais do que ajudamos por causa de sentimentos de pena.

É claro que é mais fácil falar do que fazer, especialmente se ele estiver visivelmente desesperado ou até ameaçar fazer alguma coisa.Mas todos os dias, todos os meses, todos os anos (até que ele se sinta melhor / até encontrar um emprego / até ficar parar de beber, até ficar bom de saúde), no qual adiamos o que precisa ser feito, isso torna ainda mais difícil. Para todos.

Também porque o parceiro sente a distância e sua auto-estima sofre. A separação pode ser acompanhada por uma terapia de casal, se nos sentirmos sobrecarregados sozinhos.

Conhecer o motivo não resolve todos os problemas, nem mesmo imediatamente o nó que nos liga ao relacionamento fracassado, mas é um bom começo para terminar.

POR FRANCISCA DE LIMA

Francisca de Lima é psicóloga, psicoterapeuta e coach-mentalvive em Hamburgo, na Alemanha. Oferece tratamentos e Coaching – Online

Quer saber mais sobre o tema respondo suas perguntas por WhatsApp ou E-Mail www.praxis-de-lima.de +49157-38826033 WhatsApp E-Mail:[email protected] Instagram: franci.de.lima

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Veja os últimos posts