Impactos de vida após o tratamento do câncer

médico e paciente

Impactos de vida após o tratamento do câncer

Tema esteve entre os destaques da programação do Congresso Todos Juntos Contra o Câncer; Dificuldades na retomada da vida inspiraram livro e grupo de apoio

Impactos de vida após o tratamento do câncer. O fim do tratamento de um câncer é sempre motivo de comemoração e alívio. Ainda sim, é natural que os pacientes permaneçam conectados à doença, seja por medo de uma recidiva, como também por conta de sequelas físicas e emocionais, que acabam afetando seu lado pessoal e profissional mesmo depois do tumor. Estes impactos do câncer na vida do paciente após o tratamento estiveram entre os temas centrais do 6º Congresso ‘Todos Juntos Contra o Câncer’ (TJCC), que aconteceu em São Paulo entre os dias 3 e 5 de setembro.

Segundo o oncologista Rafael Brant, do Grupo Oncoclínicas em Minas Gerais, e um dos palestrantes do painel ‘Terminei meu tratamento, e agora?’ – debater o tema entre profissionais e o público em geral é fundamental. Ele ressalta que, muitas vezes, as discussões ficam apenas em torno do tratamento em si, desconsiderando-se a importância do apoio multidisciplinar ao paciente não apenas durante sua jornada de combate à doença como na continuidade do acompanhamento das questões individuais posteriores a essa fase.

Fadiga crônica, déficit de concentração e memória, estresse e depressão são alguns dos possíveis problemas que afetarão o cotidiano do paciente após o câncer, dificultando a volta à rotina profissional e pessoal. “Dependendo do procedimento necessário para o tratamento, os efeitos podem ser prolongados nos pacientes, sejam físicos ou emocionais. A gente sabe, por exemplo, que um terço vai manter os sintomas do tratamento a longo prazo, mesmo depois que ele tenha terminado”, alerta o especialista.

Fertilidade

Os diversos tratamentos oncológicos podem levar ainda a impactos que precisam ser entendidos e conversados entre especialistas e pacientes. “Por exemplo, o tratamento do câncer de mama, câncer de testículo, ou até mesmo os medicamentos usados no combate a um linfoma, podem ter consequências na fertilidade tanto de homens quanto de mulheres, e isso, claro, afetará a vida pós tratamento do paciente que queira ter filhos. Então, é fundamental que os médicos e os pacientes conversem, se informem e busquem as melhores formas de lidar com a situação. Mesmo antes do tratamento, saber exatamente o que esperar e ver as possibilidades que existem para melhorar o bem estar de quem sofreu com a doença é imperativo”, comenta Rafael.

A visão é compartilhada pela hematologista e especialista em medicina integrativa do Grupo Oncoclínicas em São Paulo, Regina Chamon. “O impacto emocional gerado por todo o processo de recuperação do câncer não pode ser negligenciado. Para se ter uma ideia, a média de pessoas que apresentam medo de recorrência do câncer pós tratamento é de 50%. Ou seja, ao menos metade dos pacientes sofrem com estresse em algum nível gerado pelo medo de voltar a apresentar sinais da doença. Isso, somado a outras sequelas geradas pelo diagnóstico e tratamento, vão levar a alterações físicas e emocionais que, obviamente, precisam ser acompanhadas de perto para garantirmos qualidade de vida ao paciente”, ressalta a médica, que também participou do painel de discussões no TJCC.

Para Regina e Rafael, o ponto chave é apoiar o paciente e pessoas próximas para que essa nova etapa seja encarada de forma mais leve, entendendo que as mudanças na rotina são parte do processo de recuperação e fortalecimento.

Vida pós-tratamento inspirou livro

A coach Carine Cidade, 45, passou exatamente por essa situação. Aos 29 anos, ela foi diagnosticada com um tumor no seio e precisou retirar uma das mamas e passar por sessões de quimioterapia. Anos depois, por conta de suspeita da doença, retirou o outro seio e, há quatorze anos passou por uma cirurgia para remover o útero, por conta de um mioma. As consequências dos sucessivos tratamentos não foram poucas: mais de dez cirurgias para reconstrução do novo corpo.

Além das intervenções, o desejo de ser mãe foi quase abandonado. “Primeiro perdi meu seio e fiquei muito sentida por não poder amamentar. Depois perdi o útero e quase desistir do meu sonho de ser mãe. Mas, em 2015, conheci meu filho de coração em um abrigo mágico em Salvador e o adotei com cinco anos de idade. Me tornei mãe aos 40 anos e hoje sou a mulher mais feliz do mundo”, relata.

Durante o processo, Carine teve contato com diversas outras pacientes que passaram pela mesma situação que ela, mas que se sentiam desmotivadas a encarar os desafios impostos pelo tratamento e suas consequências. Foi assim que ela fundou o grupo de apoio Inspire Ser, para reunir mulheres passaram por experiências similares.

“Eram mulheres que relatavam que superaram o processo do câncer, mas que ainda se sentiam inquietas, com as mudanças, não tinham mais perspectivas de vida, medo de encarar o novo. Isso tudo afetava suas relações pessoais, rotina e sua vida como mãe, mulher e profissional e impactava em seu comportamento tornando difícil entender o tempo para seu recomeço”.

Os relatos foram a inspiração para o livro “Inspire Ser: mulheres e o câncer!”, que reúne a história de várias das participantes do grupo. Para Carine, a obra é a sua “cura constante”, por conectá-la a mulheres “extremamente inspiradoras” e o poder de levar as mensagens “continuamente”.

Por DIGITAL TRIX

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Veja os últimos posts