A importância da socialização na adolescência

A importância da socialização na adolescência

Nas décadas anteriores, a socialização entre os adolescentes acontecia em atividades presenciais como nas escolas, nos cursos extracurriculares, nos clubes, etc. Atualmente o contato se dá, principalmente, em ambientes virtuais. Uma conversa online faz a pessoa se desligar de outros elementos que a cercam para concentrar-se nesse mundo paralelo.

Com isso, segundo a psicóloga Caroline Yu “o jovem pode acabar se isolando e ser percebido como ‘apático’ pelo entorno”. Porém, ela defende a importância da troca de experiências com outros adolescentes, pois a internet pode trazer uma ilusão de sentirem aceitos em uma comunidade por conta do número de seguidores e likes nas redes sociais. “Uma vivência não substituia outra. É importante preservar as interações e vínculos, tanto no presencial quanto no virtual. O jovem se preocupa em pertencer a um grupo e, caso não tenha esse sentimento, isso pode acarretar em sintomas como ansiedade e depressão”.

Segundo pesquisa recente divulgada pelo IBGE, a maioria das pessoas que acessam a internet têm entre 20 e 24 anos e utilizam da ferramenta para enviar mensagens e usar redes sociais. Este período também corresponde o momento em que o adolescente está cursando a faculdade e ingressando no mercado de trabalho. Apesar de estar em um novo ambiente, segundo a especialista, a proposta de interação e aceitação é similar a escola.

Pensando nisso, algumas empresas desenvolveram um modelo de negócio que proporciona uma experiência transformadora na transição para a fase adulta, como a Uliving, que trouxe o conceito de residência estudantil – popular em países da Europa e Estados Unidos – ao Brasil.  Juliano Antunes, CEO da marca, explica: “além de oferecermos uma moradia exclusiva para os jovens, incentivamos a autonomia e responsabilidade deles pois, mesmo com a estrutura que temos, eles são donos da sua nova rotina. Então, é a fase em que o estudante começa a entender a relação entre independência e escolhas”.

A boa convivência em casa ou na residência estudantil também contribui diretamente no bem-estar físico e emocional e, por consequência, em todas as atividades realizadas pelos jovens. “Notamos que o senso de pertencimento é muito importante para os moradores. Em momentos de estresse, desânimo ou falta de foco, é acolhedor poder ser escutado por uma outra pessoa que também está vivenciando algo similar. Há um conforto em sentir que não é o único a passar pelos desafios desta fase. Acreditamos que essa fase seja um elemento chave dessa experiência”, conta Juliano.

O grande risco da troca do presencial pelo virtual é que elas não são substitutas no mesmo nível. “As tecnologias podem proporcionar muitas coisas, mas ainda não conseguem transmitir os sentimentos humanos, os afetos e as trocas. É imprescindível ter a vivência presencial com o mundo”, finaliza a psicóloga.  

Sobre a ULIVING

A ULIVING Brasil foi fundada em 2012 e trouxe para o país um novo conceito de hospedagem estudantil. A empresa oferece aos moradores toda a estrutura e suporte para proporcionar experiências únicas para os jovens que saem de casa para estudar. Além de apartamentos totalmente mobiliados e espaços de convivência como sala de estudos, sala de tv, cozinha comunitária, dentre outros, a Uliving cria um ambiente onde os estudantes se sentem em casa, fortalecendo entre eles o senso de comunidade e pertencimento. A Uliving já possui 5 unidades em funcionamento no estado de São Paulo e no início de 2018, se associou à VBI Real Estate, uma gestora de Fundos de Private Equity, consolidando assim seu plano de expansão.

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Veja os últimos posts