Jogaço entre Brasil e Peru exige cuidado com o coração

Jogaço entre Brasil e Peru exige cuidado com o coração

Coração dispara nos momentos de mais emoção e tensão de uma partida importante. Torcedores mais inflamados e/ou portadores de doenças cardiovasculares e fatores de risco, como hipertensão, obesidade, diabetes, tabagismo e colesterol alto, devem prevenir-se para evitar picos de estresse, mantendo a calma durante a grande decisão da Copa América

No domingo, 7, às 17h, Brasil e Peru entram em campo pela decisão da Copa América, no Maracanã. A Seleção Canarinho não decepcionou nesta edição, contando com a força da torcida para chegar à final. Os peruanos, comandados por Ricardo Gareca, velho conhecido da torcida palmeirense, e com Paolo Guerrero no ataque, superaram adversários duros para lutar pelo título: os favoritos Uruguai e o Chile. No mesmo dia, às 12h, as jogadoras de Estados Unidos e Holanda decidem a Copa do Mundo de futebol feminino.

Apesar do clima típico de final de competição, de acordo com o presidente da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp), Dr. José Francisco Kerr Saraiva, é importante manter a calma para que o coração não sofra problemas mais sérios. Durante uma partida de futebol, o órgão que bombeia o sangue para o corpo é bastante exigido, principalmente se o torcedor for muito fanático.

“O corpo exige mais desse órgão durante uma final de campeonato e o maior problema é quando isso ocorre com indivíduos com doença de base ou pré-existente. Nesses casos, podem ocorrer infartos fulminantes”, explica o especialista.

Este ano, dois torcedores morreram em estádios de futebol, vítimas de paradas cardíacas: o primeiro foi em um duelo do Corinthians contra o Oeste. O rapaz tinha 23 anos e faleceu enquanto assistia ao Timão vencer por 1 a 0. Com 58 anos de idade, o segundo caso foi de um torcedor do Botafogo, que teve parada cardiorrespiratória no Estádio Nilton Santos, durante empate entre seu time e o Juventude, pela Copa do Brasil.

Também houve casos de treinadores que sofreram com problemas cardíacos. O mais recente foi de Abel Braga, que teve uma arritmia depois que seu time, o Flamengo, fez um gol, nos minutos finais, contra o Fluminense, passando à frente do placar e ganhando vaga na última etapa do torneio carioca. Cuca, atualmente no São Paulo, submeteu-se a um procedimento cirúrgico para corrigir problema cardíaco no fim do ano passado, assim como Muricy Ramalho, ex-treinador e atualmente comentarista, há quatro anos.

Dr. Saraiva diz que a doença cardíaca, normalmente, é uma mistura entre o histórico familiar, os hábitos cotidianos e alimentares e o ambiente no qual a pessoa está inserida. “Estresse, má alimentação, excesso de peso e consumo de cigarros, por exemplo, geram riscos de problemas no coração”. Por isso, campeão ou vice, é essencial manter a calma e ter em mente que, com o coração saudável, é possível ver seu time decidir mais campeonatos daqui para frente.

*Por SOCESP

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Veja os últimos posts