Lilian Schiavo: diplomacia deveria ser matéria obrigatória nas escolas

Diplomacia

Recentemente, estive numa palestra sobre as perspectivas do novo cenário econômico mundial, organizado por uma entidade  internacional que regulamenta o comércio entre países. Os debatedores eram embaixadores, professores de Relações Internacionais e integrantes de Ministérios de Relações Exteriores.

Sou curiosa por natureza, portanto, participar de eventos com assuntos que fogem da minha área de atuação me instigam, são um desafio para que eu mergulhe em mundos desconhecidos e adquira novos aprendizados.

Como você imagina que se portam os embaixadores? Óbvio que a primeira coisa que pensamos é na educação soberba, na elegância nos gestos e no falar -estamos falando de pessoas que conhecem protocolos e cerimoniais e são poliglotas.

Devem ser dotadas de uma inteligência acentuada e uma capacidade de adaptação aos costumes de outros países, são felizardos por terem a oportunidade de viajar constantemente e conhecer lugares e pessoas incríveis.

Passei horas ouvindo as opiniões desses especialistas em políticas externas e relações empresariais internacionais. Ao citarem um país com grandes barreiras culturais e de costumes, presenciei um desfiar de conselhos sobre como contornar as diferenças de forma conciliatória, buscando entender o outro, mesmo com contratos aparentemente unilaterais, sem fechar portas para o diálogo mas mantendo uma postura de empatia.

LEIA MAIS: Os benefícios da convivência de gerações
Lilian Schiavo conta como a cultura japonesa moldou sua vida pessoal e profissional

Ao voltar para casa pesquisei o significado da palavra diplomacia: “Consiste na ação civilizada e pacífica de se relacionar com diferentes grupos, nações ou sociedades. A diplomacia é a forma como as nações civilizadas lidam com os seus antagonismos, procurando resolver as divergências sem o uso de violência ou ofensas. Agir com diplomacia é ter respeito pelo próximo, sabendo lidar de modo pacífico perante diferentes situações e comportamentos. O objetivo da diplomacia é manter um convívio sadio entre os vários grupos sociais, fazendo com que as particularidades e interesses de cada um sejam defendidos e representados.”

Quanta sabedoria! A diplomacia deveria ser matéria obrigatória nas escolas e assunto para ser discutido em todas as casas, deveria ser ensinamento obrigatório em todas as famílias.

Vivemos tempos difíceis de intolerância, pavios curtos e mimimis. É muito fácil ofender e se sentir ofendido, basta um olhar ou palavra errada e pronto! Está instalada uma crise, interpessoal ou intergrupos.

O mundo está mudando e nós precisamos acompanhar os movimentos com atenção, é necessário preparar as novas gerações para um convívio harmonioso, afinal, a paz começa nas nossas casas, nas famílias, quando ensinamos nossos filhos a conviver com a diversidade, com respeito, sem julgamentos e preconceitos.

É exercer um olhar de amor ao próximo, é estender a mão ao invés de puxar o tapete, é saber lidar com opiniões contrárias sem brigas, é entender o outro, é ser mais leve e feliz.

“Viver em Paz comigo, para viver em Paz com os outros.” Thor

Texto publicado originalmente no site www.luizandreoli.com.br.

Comentários