Manter uma indústria no Brasil é um desafio que se renova a cada dia

Manter uma indústria no Brasil é um desafio que se renova a cada dia

A indústria brasileira é atravancada por uma longa lista de problemas. Da carência de infraestrutura à base tecnológica defasada; da elevada carga tributária à falta de produtividade e à mão de obra deficiente. Manter uma indústria no Brasil é um desafio que se renova a cada dia.

Um real valorizado e uma das taxas de juros mais altas do mundo completam o cenário do chamado custo Brasil, que sufoca as empresas e sobretudo as indústrias, dificultando o acesso tanto ao mercado interno quanto às exportações. Não deveria ser assim em um país onde a indústria como um todo representa 22% do Produto Interno Bruto (PIB) e tem 20% de participação no emprego formal, segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Mesmo diante desse cenário de pesadelo econômico, apostamos que é possível crescer. O segredo é um mix de visão de oportunidade, crescimento orgânico e investimento bem canalizado em tecnologia, além de planejamento e organização. Vimos uma oportunidade no setor de vestuário de cultura pop e geek, e apesar das previsões modestas para o Brasil, projetamos um aumento de 20% no faturamento este ano.

Para quem trabalha com o público geek, o momento é bom, mas o crescimento só é possível porque fizemos a lição de casa. Começamos nossa empresa com um investimento de apenas 5 mil reais e dez anos de vivência e conhecimento do mercado, que permitiram antecipar uma tendência e visualizar o nicho que desenvolveríamos com sucesso.

O lucro foi sendo reinvestido em produção, com uma preocupação que dribla outro grave problema da indústria brasileira: a carência de linhas de crédito acessíveis e desburocratizadas. Crescemos com zero dívidas. Desde o começo, optamos por não fazer empréstimos e reinvestir no nosso próprio crescimento.

Quando passamos a ter alto volume de vendas, pudemos atender às exigências e dar um salto indispensável a nossa trajetória de sucesso: trabalhar com licenciamento. Nosso primeiro licenciamento foi em 2013 e trouxe 30% de aumento nas vendas. Ano passado, a Piticas construiu uma fábrica de 11 mil m², em Guarulhos, na Grande São Paulo. Investimos em meio à crise pois produto nada funciona. Começa tudo na fábrica.

Nossa opção desafia o senso comum do mercado. Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), a roupa brasileira custa 30% a mais que no exterior. Mas acreditamos que com inteligência e tecnologia, investir na indústria nacional pode ser competitivo. Uma de nossas prioridades foi garantir automação e premiação da equipe. Isso permite absoluto controle de todos os processos, desde a produção dos tecidos, até a administração das franquias, mantendo o custo de produção mais vantajoso do que importar da China – outro fantasma que ronda a indústria brasileira.

Confiando em produtos com valor agregado, e atuando em mercado de nicho, porém em franca expansão, com uma gestão meticulosa, é possível crescer. Investir em indústria é um grande desafio, mas vale a pena apostar nele.

* Por Felipe Rossetti

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Veja os últimos posts