O artista plástico e paisagista brasileiro Roberto Burle Marx é homenageado com a maior exposição do New York Botanical Garden, Bronx

O artista plástico e paisagista brasileiro Roberto Burle Marx é homenageado com a maior exposição do New York Botanical Garden, Bronx

Burle Marx foi um artista plástico e paisagista  brasileiro, reconhecido  internacionalmente.  Nasceu em São Paulo SP,  mas viveu a maior parte da sua vida  no Rio de Janeiro, onde estão  suas  principais obras. E outras não menos exuberantes ou importantes em vários países da  Europa e Estados Unidos.

Burle Marx assinou  as curvas do calçadão de Copacabana, os jardins do Aterro do
Flamengo, e o redesenho do calçadão da Biscayne Boulevard, no centro de Miami, um projeto finalizado dez anos após sua morte

Ao começar sua carreira na década de 30, os jardins brasileiros seguiam o padrão simétrico francês — até as plantas eram importadas. Burle Marx vira a tradição pelo avesso: torna-se um defensor da flora nacional e faz inúmeras incursões por nossas florestas, descobrindo cerca de 50 novas espécies até então inexploradas.

Marx deixou cerca de três mil jardins públicos e privados espalhados pelo mundo: o do Instituto Moreira Salles, no Rio;  o da sede da Unesco, em Paris; o da Organização dos Estados Americanos (OEA) em Washington, bem como os jardins da sede original do Ministério da Educação e Saúde, no Rio, adornando a obra de Oscar Niemeyer. Em Brasília, seu traço está por toda parte: do Itamaraty ao Palácio da Justiça.

 E para homenagear o mais proeminente paisagista  e arquiteto da segunda metade do século 20, o Jardim Botânico de Nova Iorque (New York Botanical Garden – NYBG)  abriu ao público no dia 08 de junho o  “Brazilian Modern. The Living Art of Roberto Burle Marx”, a maior exposição já montada nos seus 128 anos de existência.  A mostra irá até  o dia 29 de setembro e é  a primeira a combinar exuberantes jardins em tributo às seis décadas de carreira do artista.

A mostra tem 20 patrocinadores, incluindo a Natura e a Bloomberg Philanthropies, que preparou um guia digital interativo.
  A exposição estende-se ao Library Building, uma imponente construção de 1899 localizada na entrada do jardim botânico, que abriga o maior arquivo de botânica e horticultura das Américas. Em uma das galerias, o historiador de arte e curador Edward J. Sullivan, especializado em América Latina e Caribe, reuniu pinturas, em tela e tecido, além de tapeçarias, uma delas de três metros feita em 1971, vinda do Art Institute of Chicago. Seu transporte exigiu o desmonte de uma janela, mas valeu a pena.

Em apenas três anos, esta é a segunda vez que Nova York dedica uma mostra solo a Burle Marx: em 2016, o Jewish Museum reuniu em  sua galeria principal mais de 150 trabalhos, entre fotos, tapeçarias, jóias, maquetes e sketches — incluindo a do Aterro do Flamengo, e o interior de uma discreta sinagoga no Rio de Janeiro
DICAS: Tickets e programação – nybg.org …

Para chegar lá, pegue o trem Metro-North na Grand Central Station e siga na Harlem Line para a estação Botanical Garden. O trem deixa  na porta, e a viagem dura apenas 20 minutos.

Por Brazil Journal e outras fontes

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Veja os últimos posts