O tapete multicolorido, cobre praticamente todo o ambiente do arquiteto Maximiliano Crovato

d26a2fd395bd9171309ec6fd1b58f805

Inspirado nos anos 70 e com decoração minimalista, a Sala do Conservatório, assinada pelo arquiteto Maximiliano Crovato leva o visitante a uma viagem ao mundo da arte, sendo uma verdadeira contemplação ao design. A mostra Modernos e Eternos – feira boutique de decoração, arquitetura e design, que traz o mix&match de objetos vintage e contemporâneo, acontece de 10 a 25 de agosto, no Mosteiro de São Bento, em São Paulo.

Ao entrar no ambiente, que possui 40 m², o visitante fica extasiado com a beleza do tapete multicolorido da Punto e Filo – que será lançando apenas em 2020 no Brasil, sendo o grande destaque da sala juntamente com o sofá Centopeia e as cadeiras Giancarlo, todos assinados por Max. As peças expostas compõem a área de colecionismo, como obras e esculturas de Joana Vasconcelos sobre a lareira, a escultura de piso de Lucas Simões, a escultura de Yotaka, e o acrílico e óleo de Rodolpho Pirigi.

“A base do meu trabalho é o uso das cores e formas, por isso me identifico demais com o trabalho e as peças da Punto e Filo. Além disso, para este projeto desenhei este tapete que faz parte de uma coleção que ainda será lançada”, conta Crovato.

Com o objetivo de não interferir no patrimônio tombado, uma caixa branca de 8 x 5 m² foi construída. Contemporâneo, as cores marcantes que estão em evidencia no tapete e nos objetos de decoração trazem vida e representam o estilo do profissional, construindo um ambiente repleto de personalidade.

“Adoramos o trabalho do Max, pois tem muita sinergia com a nossa marca. Estar com ele na Modernos e Eternos é muito gratificante para nós”, finaliza Marinho Pisaneschi, diretor da Punto e Filo.

Sobre o arquiteto

Maximiliano Crovato, o Max, é um ser dos anos 70, década em que nasceu e se inspira. De lá traz as cores que ama para os ambientes que assina como designer de interiores – o dourado junto com o cromado -, e um clima psicodélico up-to-date que traduz em projetos absolutamente contemporâneos.

Suas padronagens preferidas para os papéis de parede e tecidos – com grafismos que se estendem pelos tapetes – constroem ambientes adornados com suas peças esculturais de mobiliário em madeira laqueada, espelho e acrílico, materiais que preza e utiliza com propriedade.

Tudo isso se une à arte eclética que seleciona, equilibrando o que o agrada e o que está destinado a conviver com o seu cliente. Pelas mãos do arquiteto/designer Max, o resultado é um leve toque de excentricidade que envolve e até provoca certa ironia – e que, junto com sua iluminação dramática, deixa no ar uma fragrância urbana plena de personalidade.

Por MD assessoria

Receba nossas novidades, assine nossa newsletter!

Especial Mulher

Slider