Pequenas indústrias têm pior faturamento desde 2018, mas otimismo atinge recorde

Pequenas e médias indústrias

Pesquisa do Simpi com micro e pequenas indústrias do estado de SP mostra que capital de giro e margem de lucro tiveram queda em comparação com o mês anterior

Os micro e pequenos industriais (MPIs) de São Paulo nunca estiveram tão otimistas com o futuro: ao índice de expectativa positiva atingiu 167, em uma escala que varia de 0 a 200, o melhor resultado desde o início da pesquisa, em março de 2013.

A expectativa com relação à situação econômica do setor também cravou o melhor resultado em fevereiro deste ano: 73% estão otimistas com o setor de atuação, contra apenas 2% que acreditam que “irá piorar”.

O probema é que os índices de desempenho não acompanharam a onda otimista. “Os indicadores das micro e pequenas indústrias, até o presente momento, estão apresentando resultados semelhantes ou piores a outros períodos. A onda de otimismo não converge com o desempenho que os empresários estão apresentando“, afirma o presidente do Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo (Simpi), Joseph Couri.

Os dados da 72ª rodada do Indicador de Atividade da Micro e Pequena Indústria de São Paulo, Simpi ao Instituto Datafolha, mostram que em fevereiro, indicadores como faturamento, margem de lucro e capital de giro tiveram queda.

A insatisfação com o faturamento atingiu 39%, 10% a mais do que em janeiro, com 29%. É o pior resultado desde fevereiro de 2018, quanto atingiu 44%. Já os dirigentes da MPI que consideraram o faturamento como “ótimo ou bom” caiu para 29%, ante 31% em janeiro.

Em relação à margem de lucro, em fevereiro 41% dos entrevistados consideraram como “ruim ou péssima”, contra 32% em janeiro. O número de satisfeitos também diminuiu, de 30% em janeiro para 26% em fevereiro.

A insatisfação com a liquidez disponível para a operação dos negócios aumentou 9% em fevereiro: 52% dos micro e pequenos industriais afirmaram ter capital de giro “insuficiente ou muito pouco”, ante 43% em janeiro.

Metodologia

O Indicador de Atividade da Micro e Pequena Indústria de São Paulo, encomendado pelo Simpi e efetuada pelo Datafolha, é reconhecido como sinalizador de tendência. Vale importante salientar que 42% das micro e pequenas indústrias de todo Brasil estão no estado de São Paulo.

A coleta de dados ocorreu entre os dias 12 a 26 de fevereiro de 2019, e englobou empresas de construção civil, têxteis, metalúsgicas e de produtos alimentares, bebidas, papel e madeira, entre outras.