Projeto horta: da escola para a casa

Projeto horta: da escola para a casa

Projeto horta: da escola para a casa

Conheça a proposta para crianças da Educação Infantil do Colégio Mackenzie e seus benefícios

Projeto horta: da escola para a casa. Um contato mais próximo com a natureza desde a infância, além de ser benéfico à saúde, contribui para a conscientização sobre o cuidado com o meio ambiente. É pensando nisso que o Colégio Presbiteriano Mackenzie (CPM) São Paulo desenvolveu um projeto de horta para os alunos da Educação Infantil até o primeiro ano do Ensino Fundamental I.

Por conta da pandemia do novo coronavírus, que trouxe mudanças para a rotina de todos, o Mackenzie incentiva as famílias a continuarem a atividade em casa com os pequenos, adicionando práticas saudáveis ao período de isolamento.

Mesmo com as aulas remotas, é possível não apenas continuar o projeto dentro de casa, mas também gerar muitos aprendizados através do contato com o meio ambiente e atividades conjuntas com os pais. De acordo com a professora de Ensino Religioso da Educação Infantil e 1º ano do Fundamental do CPM, Laíza Guedes, uma boa ideia é os pais apresentarem novos alimentos e novas receitas para as crianças, mostrando como os alimentos se originaram da natureza e que fazem bem para a saúde.

Assim como é feito no Colégio, é importante a criança participar de todo o processo, desde o plantio da semente até o resultado final, passando pelos cuidados contínuos. Sem dúvida todas as etapas serão motivo de alegria para as crianças, principalmente, quando uma nova descoberta é feita.

“Ficam admiradas com o processo de crescimento da planta. No Colégio, eles ficam semanas sem visitar a horta, e quando retornam, um pequeno caule de mandioca que plantaram já está do tamanho deles”, diz Laíza.

O capelão do CPM, Josué Alves Ferreira, ainda reforça a importância em aprender com experiências reais e que hoje existe muitas ideias na internet de como fazer uma horta suspensa na área e varanda dos apartamentos, por exemplo.

“As crianças precisam compreender de onde vem e que não é fácil ter o alimento em sua geladeira. Custa tempo, água, terra, disposição”, completa ele.

Vasos, jardineiras, garrafas pet cortadas ao meio, existem diversas opções de como montar sua horta caseira. O importante é o contato e a compreensão da criança sobre os processos naturais.

A professora do curso de Nutrição da Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM), Marcia Nacif, reforça que a alimentação saudável é responsável, entre outros fatores, pelo crescimento e desenvolvimento das crianças e também ajuda na prevenção de problemas de saúde em curto prazo, como deficiência de ferro, e em longo prazo, como diabetes, hipertensão e doenças cardíacas.

Marcia também explica que os hábitos alimentares são formados na infância e tendem a permanecer na vida adulta, por isso, é importante estimular logo nos primeiros anos de vida da criança o consumo de alimentos saudáveis e variados.

Projetos de horta em escolas, como o do CPM, estimulam o contato dos alunos com frutas, legumes, verduras e grãos e favorecem o conhecimento sobre a origem dos alimentos.

“Ao participar de todo o processo, a criança aprende a respeitar a natureza, cuidar dos alimentos e ter vontade de experimentar novos sabores”, afirma a professora.

De acordo com o capelão Ferreira, o projeto começou em 2012 com a plantação de semente de abacate pelos alunos no acampamento do Mackenzie, em Cabuçu, interior de São Paulo.

“Havia um espaço que era separado para a horta, e começamos a utilizar como projeto da aula de Ensino Religioso. Tomamos decisão, a cada ano, sobre o que plantar, sempre com o objetivo de envolver os alunos”, conta o capelão.

Nas aulas do projeto, conta ele, os alunos plantam e observam o crescimento das sementes, aprendendo a importância da água e dos nutrientes durante todo o processo. Isso possibilita à criança valorizar o trabalho manual, além de estudar conceitos relacionados a matérias escolares, como Ciências e Matemática.

O projeto é iniciado com a história bíblica da Criação do Mundo e uma roda de conversa, na qual os professores reconhecem a familiaridade dos alunos com a natureza e cultivo de alimentos. Após essa introdução, é feita uma visita à horta para que haja o primeiro contato dos pequenos com a terra. Os próximos passos, explica a professora Laíza, são “plantar, regar, acompanhar o crescimento, colher e degustar o fruto do trabalho deles”.

Além disso, as atividades com a horta permitem a inclusão de alunos com deficiência, pois se faz necessário um trabalho coletivo, no qual todos estão juntos, presenciando as mesmas descobertas e trabalhando múltiplos sentidos, como tato, visão e olfato, o que os cativam e ensinam. Com todos estes aspectos envolvidos, trazer o projeto para dentro de casa durante o período de pandemia é uma ótima alternativa para que as crianças e adultos saiam do “mundo virtual” de seus estudos e trabalhos.

Na proximidade com a natureza, as crianças aprendem sobre o processo de crescimento e as estruturas que compõem cada organismo vivo. Para o capelão do CPM, essas ações estão diretamente relacionadas aos ensinamentos bíblicos.

“Pode-se mostrar a provisão, a importância do alimento, da comida saudável e que tudo depende do outro. Somente uma mente muito sábia poderia fazer tudo tão sincronizado: terra, água, sol, sementes e nossa necessidade de alimentos”, explica Ferreira.

O projeto da horta também trabalha com os alunos o conceito de cuidar da natureza porque Deus presenteou o ser humano com este papel. “Ao declararmos que Deus criou o Mundo e tudo o que há nele, podemos, de forma concreta, mostrar para as crianças a natureza como parte dessa criação”, encerra a professora Laíza.

*Fonte: Colégios Presbiterianos Mackenzie

https://m.polishop.vc/novafamilia/

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Veja os últimos posts

Antifrágil

Antifrágil. Vivemos no mundo VUCA com quatro características: volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade. Você já deve ter observado que tudo mudou e a essa altura

Continuar Lendo »