Projeto visa mapear vulnerabilidades jurídicas das indústrias paulistas

achievement-3387293_1280

Programa criado por PALAS e Parluto apresenta selo Eficiência da Gestão

São muitos os riscos jurídicos aos quais uma indústria é submetida. Independentemente do porte ou segmento, essas empresas enfrentam diariamente problemas que envolvem pessoas, processos e impactos. Pensando em melhorar a gestão e minimizar esses riscos, a PALAS, consultoria de inovação e gestão, e o Parluto, escritório de advocacia, se uniram na criação do selo Eficiência da Gestão, que reúne as melhores práticas nas áreas de recursos humanos, saúde ocupacional, compliance, gestão de riscos e meio ambiente.

Baseado nas normas ISO 9.001 (qualidade), 45.001 (saúde ocupacional), 19.600 (compliance), 31.000 (gestão de risco) e 14.001 (meio ambiente), o programa auxilia na identificação de melhorias e na busca por mais produtividade, além de minimizar riscos jurídicos e desperdícios. “A ideia é oferecer às indústrias um compilado de iniciativas capaz de promover a melhoria da gestão de forma simples, rápida e desburocratizada. Queremos que as empresas se beneficiem imediatamente da implementação do projeto”, afirma Alexandre Pierro, fundador da PALAS.

Na área de recursos humano, o selo aponta melhorias nas áreas de contratação, definição de competências e habilidades para as funções, definição de papéis, responsabilidades e autoridades organizacionais, além de definição de treinamentos e controles operacionais. “As pessoas são a parte mais importante e sensível de qualquer empresa. Ter esse olhar atento para elas evita os degastes jurídicos na área trabalhista”, defende Marcelo Parluto, fundador da Parluto Advogados.

A saúde ocupacional também é decisiva para a proteção da empresa. Por isso, o selo levanta os perigos e riscos das funções, define métricas para o monitoramento, os planos de emergência para possíveis acidentes e incidentes. Dessa forma, a empresa se mantém em conformidade com os requisitos legais, reduzindo o absenteísmo, os índices de acidentes e doenças ocupacionais. Tudo isso melhora o engajamento dos colaboradores e crie um ambiente de trabalho mais saudável.

O projeto prevê ainda o atendimento às legislações trabalhista, ambientais e Normas Reguladoras, as NRs, além de requisitos regulatórios específicos, como ANVISA, Cetesb, entre outros. Com esse foco no compliance e na gestão de riscos, a empresa conquista mais confiança de todos os stakeholders, demonstrando conformidade com os órgãos reguladores. Isso facilita a participação em licitações públicas, estabelece uma base confiável para a tomada de decisão e melhora a imagem da empresa junto ao mercado.

Na área ambiental, o programa prevê a melhoria da gestão de resíduos, o mapeamento dos aspectos ambientais e a elaboração de planos de emergência para casos de impacto. Esses cuidados aumentam a eficiência e promovem a otimização dos recursos, como água, energia elétrica e insumos de produção.

A implementação do programa está dividida em seis etapas: visita técnica; análise documental; análise dos dados operacionais; elaboração dos relatórios e documentos de suporte; apresentação dos resultados; e pós-entrega. O cronograma previsto é de seis semanas. Após esse período e a correção dos pontos de melhoria apontados, a empresa recebe o selo Eficiência da Gestão. “Trata-se de um projeto assertivo e de curto prazo, com o objetivo de tornar a empresa mais eficiente e competitiva”, finaliza Pierro. 

Por Juliana colognesi