Quais os direitos de quem trabalha em casa?

home office

Quais os direitos de quem trabalha em casa?

Quais os direitos de quem trabalha em casa? Trabalhar em casa já não é mais um desejo, mas realidade para empreendedores e até funcionários de empresas médias e principalmente de grande porte.

A prática não é novidade. Nos últimos anos, o avanço da tecnologia permitiu que mais empresas diversificassem seus regimes de trabalho nas funções que permitem tais mudanças, se adaptando inclusive à necessidade de repensar a mobilidade dos funcionários em cidades grandes e médias.

As mudanças mais comuns, além do _Home Office_, são os horários flexíveis de entrada e saída para que os funcionários escapem do rush no trânsito, a carga horária mais curta às sextas-feiras, o _part-time_ quando a jornada semanal é reduzida.

No entanto, a tendência é que a flexibilização ganhe cada vez mais espaço, principalmente depois da reforma trabalhista, que regulamentou o teletrabalho.

Para o funcionário que faz a mudança para o _part-time_, é preciso um novo contrato de trabalho conforme as regras específicas desse tipo de regime.

Desde novembro de 2017, quando a reforma trabalhista entrou em vigor, a jornada parcial pode ser de até 30 horas semanais, ou 26 horas com até seis horas extras por semana.

A reforma também estabeleceu regras para o teletrabalho — aquele realizado fora da empresa, como o _home office_ —  e deixou claro elas só valem para quem trabalha principalmente dessa forma, conforme explica o advogado Handerson Rodrigues.

Com isso, o teletrabalho se faz cada vez mais presente no dia a dia das empresas brasileiras, principalmente às ligadas à área da tecnologia (processamento de dados, startups, sistemas etc.), principalmente após a sua regulamentação pela reforma trabalhista.

“Existe também a necessidade de o empregador instruir os colaboradores sobre as precauções necessárias para evitar acidentes e/ou doenças laborais ocorridas fora do seu estabelecimento, como na própria casa do empregado”, salienta.

Como vantagens, o empregado contratado para essa modalidade, além de receber o amparo da legislação laboral, evita a perda de tempo com deslocamentos (residência-trabalho e vice-versa) e pode ter uma maior autonomia, estabelecendo seus próprios horários de trabalho e assim ter mais tempo livre com sua família, ajudando, inclusive, na diminuição do risco do surgimento de doenças laborais.

Assim, que o uso das tecnologias nas relações de trabalho possui um papel fundamental atualmente e podem sim ser uma grande vantagem tanto para os empregadores como para os empregados, bastando apenas saber utilizá-la da forma correta.

Por Redação

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email

Veja os últimos posts