Quer investir em um negócio em 2019? Confira um guia para não correr riscos

Novos negócios

Se depois da tempestade vem a bonança, então o ano de 2019 pode marcar uma nova oportunidade para empreendedores que desejam investir em novos negócios. Após um período de retração econômica nos últimos anos, o Brasil já dá sinais de recuperação e alguns setores têm expectativas positivas de crescimento. Entretanto, antes de investir em um determinado negócio, é preciso tomar alguns cuidados para que o retorno seja o esperado e a empresa não corra riscos.

Aqui, a especialista Gabriela Freitas, sócia-diretora da Proxy Media e criadora do Clube Sou Empreendedor, ressalta as questões que você deve considerar antes de realizar um investimento:

O cenário econômico é propício para investir?

Sim. No passado, houve diversos fatores de instabilidade e indefinição no cenário político, o que inibiu o crescimento econômico e, principalmente, a confiança dos consumidores. A partir deste ano, com um novo governo, a tendência é ter um foco maior em melhorias para as empresas crescerem e gerarem empregos. O cenário é de muito otimismo no mercado, o que abre grandes oportunidades para os empreendedores.

Quais segmentos estão em alta?

Alguns segmentos devem estar em alta nos próximos meses. Categorias como “beleza/cosméticos”, “moda”, “alimentação” e “lazer/viagem”, por exemplo, estão se destacando ao longo dos anos, e não devem parar de crescer. São itens que o brasileiro, mesmo em crise financeira, continua consumindo e, portanto, são considerados produtos e serviços básicos no dia a dia das pessoas.

O que é necessário pontuar antes de realizar um investimento em um novo negócio?

É preciso ter muito planejamento e pesquisa para evitar erros que podem prejudicar a empresa ainda na fase inicial. Pondere sobre os custos, o ponto de venda (no caso de lojas físicas), investimentos de marketing, público-alvo, fornecedores, entre outros pontos essenciais, antes da abertura do negócio. Além disso, estipule metas de vendas, de lucro e uma visão anual considerando, pelo menos, três cenários básicos (otimista, pessimista e realista) e como a companhia deve se comportar em cada um deles.

Quais as vantagens e dificuldades destes segmentos que estarão em alta?

A principal vantagem é que são setores consumidos com recorrência. Diferentemente dos bens duráveis, que possuem um ciclo mais longo de consumo, todos esses segmentos citados trabalham com produtos e serviços presentes durante todo o ano. Por sua vez, a desvantagem é o ticket médio, normalmente mais baixo e que requer investimento e estrutura para escalar o negócio e tornar o volume de vendas representativo para a empresa e o empreendedor.

Que recomendações o empreendedor deve seguir após investir em um novo negócio no Brasil?

Ele precisa de muito foco, profissionalismo e persistência. Muitas pessoas empreendem e pensam que terão uma liberdade muito maior ou até que trabalharão menos como dono de um negócio. Isso é um erro grave. O bom empreendedor geralmente trabalha muito mais que os funcionários, pois tem responsabilidades e preocupações a todo o momento. Na maioria dos casos, um negócio demora para dar resultados e isso requer que as pessoas que estão a frente dele saibam lidar com pressão e tomar decisões, além de estarem preparadas para trabalhar incansavelmente para alavancar a empresa.

Como posso esticar esse bom momento também nos próximos anos e conseguir escalar o negócio?

É preciso sempre analisar as tendências do mercado no futuro. São elas que dizem se esses setores continuarão a ter um bom ritmo de crescimento e o empreendedor deve estar atento a esses movimentos para que, sempre que necessário, ajuste as diretrizes do negócio e seja intensificando a atuação no setor ou até mesmo para mudar o foco de atuação.*

Comentários