Estudantes vão para Nasa após criação de chiclete de pimenta

chiclete pimenta

Estudantes vão para Nasa após criação de chiclete de pimenta

Invenção serve para ajudar astronautas a degustarem o sabor dos alimentos. Segundo alunos, a sensibilidade do nariz é prejudicada no espaço, o que faz com que astronautas deixem de sentir gosto e cheiro

Estudantes de vão para a Nasa após criação de chiclete de pimenta. Sete alunos do Sesi Canaã inventaram o “Chiliclete”, uma goma de mascar feita com os componentes da pimenta para ajudar astronautas a sentirem o sabor dos alimentos. A iniciativa vai levar os estudantes de Goiânia para o Mountain State Invitation, um torneio de robótica na sede da Universidade da Nasa, em West Virginia, nos Estados Unidos. A viagem acontecerá na próxima terça-feira (9).

De acordo com a explicação dos alunos, a falta de gravidade no espaço muda o corpo do astronauta. Com isso, o sangue se concentra na cabeça e no peito, e essa mudança tira a sensibilidade do nariz, de forma que quem está no espaço vai parando de sentir gostos e cheiros.

O estudante Kairo Gabriel Silva, de 16 anos, explica que a proposta é que esse chiclete devolva a sensibilidade ao nariz do astronauta, mesmo que por um tempo limitado.

“O astronauta masca o chiclete por dez minutos, antes da refeição. E é o tempo determinado para que a capsaicina – um composto químico encontrado em todas as pimentas – entre contato com o organismo do astronauta e assim ele consiga ter essa percepção de sabores por até duas horas, pode se alimentar normalmente”, disse.

O grupo de alunos, formado por estudantes de 15 a 17 anos, desenvolveu a pesquisa durante sete meses. Em março, eles apresentaram o Chiliclete na edição nacional do Torneio de Robótica, no Rio de Janeiro e foram selecionados para a etapa internacional. Os estudantes embarcam na próxima terça-feira (9) para os Estados Unidos. O torneio será realizado entre 12 e 14 de julho.

Além dos estudantes goianos, o Brasil será representado por outras duas equipes, uma do Rio Grande do Sul e outra do Distrito Federal. O evento reúne cerca de 70 times de 12 países.

O Mountain State Invitation vai avaliar os alunos em quatro etapas: projeto de pesquisa, momento de colocar as ideias no papel; design do robô, para desenvolver as ideias; desafio do robô, para cumprir missões com o equipamento criado; e a core values, para avaliar a capacidade de trabalho em equipe.

A professora da turma de robótica Harumi Vitória Fukushima diz que a realização desse projeto vai interferir não só na vida profissional dos alunos, mas na vida pessoal também. “É uma coisa que vai além da sala de aula. Isso realmente é para a vida, mesmo”, conclui.

Por Danielle Oliveira, TV Anhanguera

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Veja os últimos posts