Snacks: o que comer e como fazer esses lanchinhos sem culpa

Snacks: o que comer e como fazer esses lanchinhos sem culpa

Snacks: o que comer e como fazer esses lanchinhos sem culpa

Combinações mais nutritivas e pausas para se alimentar estão entre as dicas da nutricionista

Snacks: o que comer e como fazer esses lanchinhos sem culpa. A quarentena diminuiu literalmente o ritmo de todo mundo. O isolamento para controle do Covid-19 influenciou diretamente no volume de movimento no dia a dia e na prática de exercícios físicos, que caíram consideravelmente com a impossibilidade de frequentar academias. Com isso, a redução do gasto calórico, junto do aumento da ansiedade, vem alterando também os hábitos alimentares.

Quem sabia o que comer entre as refeições, considerando seu nível de atividade, também parece perdido e ansioso com tanta mudança. Não sabe se come, e às vezes, come até demais seguido das emoções e incertezas do período. “Priorizar uma alimentação saudável nessa época é fundamental para manter a saúde do corpo e da mente, principalmente diante das causas do isolamento”, diz Valentina Slaviero, nutricionista parceira da Fit Food, Para ajudar, Valentina lista algumas dicas para voltar a comer snacks que contribuam para um corpo saudável e uma mente em paz! Vale conferir:

Comer para não exagerar

Na quarentena, é interessante manter um padrão de refeições regulares, incluindo os snacks entre as principais refeições.

“Muitas horas sem se alimentar geralmente são seguidas de episódios compulsivos”, diz Valentina. Por isso, a nutri sugere evitar ficar mais de 3 a 4 horas sem comer.

Quantidades que nutrem

Quem tem dificuldades de definir porções, principalmente por conta da ansiedade, pode escolher snacks entre 150 a 300 calorias no período da manhã e da tarde. “Geralmente, uma dieta balanceada inclui lanches que compõe de 10 a 15% do consumo total de calorias diários”, conta Valentina.

“Coloque a porção já estipulada em um potinho, evitando comer direto do pacote que geralmente tem mais que uma quantidade individual”, adiciona.

Escolhas que dão certo

“Snacks de baixa caloria geralmente não dão saciedade e, por fim, acabam aumentando a fome. Evite opções light/diet ou de baixa caloria”, alerta Valentina. A nutricionista sugere a combinação de carboidrato natural como o das frutas, grãos e raízes, mais um proteína ou gordura de boa qualidade para aumentar a saciedade.

“Um bom exemplo seria uma dupla de biscoitos de arroz integral, tomatinhos, pepino ou cenoura em palito com uma pasta de hommus, guacamole ou castanhas. Iogurte com sementes ou frutas também são boas opções”, sugere Valentina.

Relaxe e saboreie mais

Aguarde a ansiedade passar para se alimentar. Faça pausas no trabalho, dê um tempo na TV e no celular para fazer snacks e demais refeições.

“Estar presente com a comida permite mais conexão com o prazer proporcionado pela alimentação e mais clareza sobre os níveis de saciedade do corpo”, diz a nutricionista.

Programe-se e cumpra os horários

Definir horários ajuda a manter a rotina e evitar excessos na alimentação. “Como estamos em um momento atípico isolados em casa, a vida pode ficar confusa e acabamos desequilibrando a alimentação”.

Para manter a ordem e um corpo bem nutrido, Valentina sugere fixar horários para não pular refeições nem exceder durante o consumo.

Snacks e combinações para todos os paladares

Quanto mais próximo da versão natural, melhor! Consuma castanhas, frutas secas, pastas de amendoim e sementes. “Fique atento à quantidade desses snacks, que são ricos em gorduras naturais. Apesar de serem nutritivos, eles facilmente somam excessos calóricos no consumo diário”, alerta Valentina.

Carboidratos também são bem-vindos. Prefira os provenientes dos grãos. Como grãos crocantes de grão-de-bico, edamame, ervilhas, e biscoitos ou crackers de arroz. “Eles são fonte proteínas, fibras, não contém glúten e proporcionam saciedade por mais tempo”.

Chocolate amargo também está liberado. “A partir de 70%, o chocolate é rico em antioxidante, que combate os radicais livres e favorece a saúde do corpo”, conta Valentina.

Nutra a fome insaciável

Fora dos horários das refeições, preencha o tempo com atividades que nutram a alma e contagiem a mente.

“Busque uma nova maneira de se exercitar em casa, descubra uma nova habilidade como pintar ou dançar, faça um curso online e se divirta mesmo em tempos de isolamento”, incentiva Valentina.

“Na maior parte das vezes, a fome insaciável não vem do corpo, vem da mente”, adiciona.

*Por Fit Food e Latinex

https://m.polishop.vc/novafamilia/

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Veja os últimos posts

Antifrágil

Antifrágil. Vivemos no mundo VUCA com quatro características: volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade. Você já deve ter observado que tudo mudou e a essa altura

Continuar Lendo »