Testes genéticos contribuem para diagnósticos e tratamento de câncer no mundo

Testes genéticos contribuem para diagnósticos e tratamento de câncer no mundo

Estima-se que 5% a 10% dos casos de câncer têm um forte componente hereditário

Em 2013, a atriz norte-americana Angelina Jolie declarou ter realizado um exame que apontava um risco aumentado de desenvolver um câncer de mama, doença que ceifou a vida de sua mãe em 2007. Ela realizou um teste genético que tem a função de detectar alterações no DNA que levam ao desenvolvimento de tumores malignos antes do surgimento da doença.

Recentemente, Tahir Khan, de 44 anos, Sophia Ahmed, de 39 anos, e Omar Khan, de 27 anos, três irmãos britânicos, decidiram retirar o estômago após descobrirem serem portadores de um gene cancerígeno, fator considerado como um indício de predisposição maior ao risco de desenvolver futuramente um tumor no órgão.

Os irmãos foram submetidos à cirurgia após passarem por uma bateria de exames no Hospital Addenbrooke, da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, entre eles, testes genéticos para diagnóstico de câncer. A decisão ocorreu após a mãe e a irmã do trio falecerem em decorrência de um câncer de estômago.

De acordo com o INCA, o Brasil deve ter 600 mil novos casos de câncer em 2019. “Estima-se que 5% a 10% dos casos de câncer tenham um forte componente hereditário, quando uma mutação transmitida de geração para geração é responsável por aumentar as chances de uma pessoa desenvolver a doença”, afirma o oncologista Bernardo Garicochea, especialista em genética do Centro Paulista de Oncologia – unidade de São Paulo do Grupo Oncoclínicas.

Ainda segundo o especialista, os testes genéticos para diagnóstico de câncer são indicados apenas quando há um alto risco de mutações associadas ao histórico familiar em parentes próximos (mãe e/ou irmã) ou quando o indivíduo tenha apresentado tumores com idade inferior aos 50 anos.

LEIA MAIS: Descoberta médica israelense elimina 70% dos tumores cancerígenos
Setembro Verde: nutricionista dá dicas que ajudam na prevenção do câncer

“É importante que a paciente saiba que não basta ter o desejo de fazer o mapeamento genético. É preciso que um médico geneticista ou mastologista seja consultado previamente para que avalie a história familiar e, com base nisso, se necessário, gere um pedido médico para realização do exame laboratorial”, diz Garicochea.

A finalidade principal do exame genético é identificar mutações em alguns genes que ampliam as chances do paciente em desenvolver a doença. Para realizá-lo basta uma amostra de sangue ou saliva, através de onde é extraído o DNA do paciente que é lido por algoritmos específicos desenvolvidos por bionformatas para decidir se existe ou não mutações que podem estar associadas com o risco de câncer.

“Vale lembrar que se identificada a mutação, isso não significa que a pessoa necessariamente terá câncer, mas é um indício de que ela possui uma maior predisposição ao risco de desenvolver um tumor no futuro. Por isso, o teste genético é uma ferramenta que pode levar a uma indicação de realização de exames preventivos com maior constância”, finaliza o especialista.

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Veja os últimos posts