Ouvir Pausar

Bem-Estar

TIPOS PSICOLÓGICOS

Qual será o seu tipo psicológico, segundo Jung?

TIPOS PSICOLÓGICOS

Os trabalhos constantes de exploração do inconsciente não fizeram Jung perder o interesse pelas relações do homem com o meio exterior. A comunicação entre os indivíduos da raça humana sempre lhe pareceu desafio da maior importância.

O outro não é semelhante a nós como gostaríamos.

São constantes as queixas dos desencontros entre cônjuges, filhos, amigos, face às reações do outro.

Jung deteve-se no exame desta questão e apresentou sua contribuição para que possamos nos orientar melhor nos relacionamentos.

“Não creio de modo algum que esta classificação seja a única verdadeira, mas um caminho!”

HÁ DOIS TIPOS PSICOLÓGICOS

O extrovertido e o introvertido. Este conceito baseia-se na maneira como se processa o movimento da energia psíquica (libido) em relação ao objeto. Para Jung objeto é tudo que está fora da pessoa em questão. A pessoa é o sujeito e seu entorno é o objeto.

Na extroversão, a energia psíquica flui sem embaraços ao encontro do objeto. Já na introversão, a energia psíquica recua, pois neste perfil o objeto é algo ameaçador que pode afetar o indivíduo.

Tanto um quanto o outro, são considerados normais. Porém, podem se tornar patológicos quanto as emoções evoluem de forma extremada. Cada indivíduo vê a vida através de seu próprio tipo psicológico. A pessoa olha por uma janela e extrai suas percepções a partir da paisagem que vê.

Dentro do universo do extrovertido e do introvertido encontramos mais quatro funções psíquicas que se relacionam entre si. Todas estão presentes em nós, entretanto, sempre há uma mais desenvolvida que as demais.

PENSAMENTO X SENTIMENTO

Pensamento: esclarece o significado dos objetos. É o que discrimina uma coisa da outra, usando apenas do pensamento lógico baseado em fatos externos e objetivos.

 

Sentimento: faz a estimativa dos objetos. Decide a importância do objeto. Estabelece o julgamento como o pensamento, mas a sua lógica é diferente.

INTUIÇÃO X SENSAÇÃO
 

Intuição: é uma percepção extrafísica (subjetiva). É apreensão da atmosfera onde se movem os objetos, de onde vêm e qual o possível curso de seu desenvolvimento. Não há lógica.

Sensação: constata a presença das coisas que nos cercam e é a responsável pela adaptação do indivíduo à realidade objetiva.

Quando estas funções se relacionam entre si, faz com que a pessoa se perceba em seu meio. Em graus muito desiguais, pode gerar patologias acentuadas. E quando uma delas não é empregada, há o perigo de que escape todo o manejo consciente das percepções do indivíduo, levando a distúrbios, como a esquizofrenia.

O sentimento está mais consciente, mas mulheres.

Enquanto o pensamento se verifica mais em homens.

* Sentimento não é emoção e sim o sentido dos objetos

* As emoções são derivadas do sentimento e ou

do pensamento.

O estudo dos Tipos Psicológicos foi uma das obras mais significativas que Jung nos deixou. Dedicado como um reexame de suas intuições, vivências pessoais e observações clínicas referente ao inconsciente coletivo (assunto que tratarei em outro momento).

Um pouco antes de sua morte, Jung nos presenteia com estas palavras que, para mim, definem a luta constante da condição humana.

Ele adverte: “Para que o indivíduo não seja tragado pelo inconsciente, é necessário manter-se firmemente enraizado na realidade externa, [ocupar-se]. E sem perder o ânimo, encarar face a face, as imagens do inconsciente.

A tarefa é bastante árdua. E é preciso um Eu bem estruturado e coeso, pois terá que ser continuamente ligado à consciência, para não adoecer “.

A psicoterapia ainda é um dos melhores métodos de autoconhecimento para compreender os conteúdos do inconsciente e sua simbologia.   

- Osmarina Vyel 

 

Acompanhe-nos nas Redes Sociais:

https://www.instagram.com/revistanovafamilia 

https://www.facebook.com/revnovafamilia

https://www.linkedin.com/in/revistanovafamilia/

https://www.youtube.com/user/revistanovafamilia