Ouvir Pausar

Não preservar seu próprio patrimônio é sinal de decadência de um povo

Em 1931, há 90 anos atrás, Ignácio Tosta Filho criou o hoje abandonado Instituto, mas a sede foi inaugurada em 1936.

Não preservar seu próprio patrimônio é sinal de decadência de um povo
(Salvator Barki/Getty Images)

Por Carlos Aquino 

O outrora imponente prédio do Instituto do Cacau da Bahia, símbolo da também outrora  pujante Cacauicultura baiana, irmana-se hoje na sua dolorida, vergonhosa, degradada e degradante situação. 

Em 1931, há 90 anos atrás, Ignácio Tosta Filho criou o hoje abandonado Instituto, mas a sede foi inaugurada em 1936.

Com projeto do alemão Alexander Buddeus, feito em 1932 o prédio é um tesouro da arquitetura e engenharia da Bahia, um raro exemplar em Salvador da arquitetura Bauhaus, estilo considerado moderno no Século XX, também especial pela localização, na zona portuária, entre a Avenida Estados Unidos e Avenida da França com as ruas Espanha e Noruega, próximo a Praça Marechal Deodoro.

Em 2012 o prédio sofreu um incêndio. Passaram-se 9 anos e o que estava ruim ficou pior. É a cultura antropofágica da política baiana que acabou com a Sulba - Companhia Viação Sul Baiana, com a CEPLAC, com as empresas de Extensão Rural e tantos e tantos outros patrimônios públicos erguidos com muito esforço, dinheiro e trabalho de gerações passadas.

Em 2002, há 19 anos atrás, o Edifício Sede do ICB foi Tombado  pelo IPAC-BA. Na Bahia, em muitos casos "Tombamento" significa descaso e tombamento - queda - derrubada - abandono.

Por estar ao lado do Terminal Marítimo, Náutico e Turístico de Salvador, mantendo, dinamizando e ampliando o Museu do Cacau, o lugar poderia ser um fantástico cento gastronômico, um centro de convenções, qualquer coisa séria e útil que não seja o trágico fim que se avizinha, na terra onde se fala de preços das coisas, mas não se tem idéia de valores dos patrimônios e riquezas.  

Acompanhe-nos no Instagram:

https://www.instagram.com/revistanovafamilia