Ouvir Pausar

O sexo na gravidez é prazeroso?

A gravidez é um período de mudanças físicas e psicológicas que geram uma série de dúvidas para as mulheres e seus parceiros. Mas manter a atividade sexual durante a gravidez é fundamental para a saúde da mulher e do casal.

O sexo na gravidez é prazeroso?
Banco de imagens

O sexo durante a gravidez ainda é visto como um tabu entre muitos casais, pois, enquanto a mãe está passando pelo desconforto das mudanças hormonais e a barriga vai crescendo, o homem tem medo de machucar o bebê ou a própria mulher.

Geralmente a libido da mulher muda durante a gestação, no primeiro trimestre devido aos enjoos, vômitos e mal-estar a vontade pode ser menor. No segundo trimestre, com a mulher mais adaptada à nova fase, a libido deve voltar ao normal. Já no último trimestre com a barriga saliente e a ansiedade pelo nascimento do bebê, é possível que a vontade volte a cair, pois esse momento exige criatividade do casal. 

A obstetra Drª Rúbia Novaes afirma que, “É possível que a criança se mexa ou fique quieta durante o ato, mas esse fator está mais ligado aos hormônios do que à relação sexual”.

Os seios podem ficar mais sensíveis ou doloridos ao toque, especialmente no primeiro trimestre. O desconforto geralmente melhora, mas é possível que a sensibilidade permaneça. Para certas gestantes a mudança é ótima, enquanto para outras é desagradável e leva a nem quererem ser tocadas na região.

A gestante também deve saber que é normal não sentir desejo durante a gravidez, enquanto algumas mulheres se sentem poderosas e mais bonitas nesse período, outras ficam simplesmente cansadas ou enjoadas demais, principalmente no primeiro trimestre.

É importante que o casal tenha diálogo nesta fase, a mulher deve avisar o seu parceiro se alguma coisa, mesmo que seja algo que vocês sempre faziam juntos. Este é um momento em que os dois devem ajustar as atividades eróticas e tentar outras formas de estimulação que sejam prazerosas para ambos.

Alguns homens acreditam que o sexo pode machucar o nenê, mas isso é mito, pois, mesmo que o parceiro fique por cima o tampão que fecha o colo do útero é espesso e ajuda a protegê-lo contra infecções. O saco amniótico e os fortes músculos do útero também protegem o bebê.

Posições

A melhor posição para o ato sexual deve ser definida pelo casal. Mas as posições “conchinha” e a mulher por cima, são as que deixam a maioria das mulheres mais confortáveis. Para a Drª Rúbia Novaes, “a posição que a mulher fica de lado, também chamada de “conchinha” é a posição mais confortável, pois o peso é distribuído por igual e a penetração não é profunda, quando a mulher fica por cima o peso do homem não pressiona o abdômen e a mulher tem o controle da relação, deixando-a mais relaxada”.

O sexo anal não é proibido durante o período gestacional, mas como aumenta o risco de infecções, a gestante deve ter o cuidado redobrado e usar preservativo e lubrificante.

Outra dúvida que persegue os casais é quando voltar a ter relação após o parto. Esta questão pode ser respondida com o auxílio do obstetra que está acompanhando a mãe, mas na maioria das vezes depende da via de parto e do pós-operatório. No geral, as mulheres estão liberadas para as relações sexuais cinco semanas após o nascimento do bebê. Nessa fase, é importante que a mulher escolha as posições e o parceiro respeite seus limites, porque o hormônio que produz leite diminui a lubrificação vaginal.