Ouvir Pausar

Doenças da gengiva vinculadas com doenças cardiovasculares

Poucas pessoas sabem, mas as doenças da gengiva vinculadas com doenças cardiovasculares causam diversos danos para todo o organismo, podendo, até mesmo, colocar a vida do paciente em risco.

Doenças da gengiva vinculadas com doenças cardiovasculares
Banco de imagem

Estudos indicam que as pessoas que têm um maior acúmulo de bactérias periodontais possuem artérias mais espessas, e isso propicia a incidência de ataque cardíaco, derrame, entre várias outras doenças vasculares.

No entanto, ainda hoje, estima-se que 99% da população brasileira tenha algum tipo de doença gengival.

Por falta de acompanhamento com o dentista – ou do auxílio de um convenio odontologico –, elas tendem a não realizar o tratamento adequado até que a situação esteja em estágio avançado.

Mas para saber como evitar essas enfermidades é preciso, primeiro, entendê-las.

O que são as doenças gengivais?

O tecido periodontal é aquele que envolve os ossos e ligamentos faciais, dando a sustentação necessária para os dentes. É também conhecida como gengiva.

Existem duas doenças que podem acometer essa região: a gengivite e a periodontite. Ambas são inflamações dos tecidos, causadas pelo acúmulo de bactérias bucais, placas bacterianas e o tártaro.

São chamados de gengivite os estágios iniciais do problema, quando a infecção é mais leve e os danos ainda são reversíveis. Ela é caracterizada por inchaços e vermelhidões, bem como sangramento gengival ao escovar os dentes, usar fio dental e se alimentar.

Os sintomas, neste caso, são leves e causam pouco incômodo. Esse é justamente um dos principais motivos da evolução do quadro para situações mais sérias.

A segunda doença é a periodontite, uma evolução da inflamação que passa a atacar os ossos faciais e os tecidos de sustentação dos dentes.

Os principais sintomas dessa fase são:

  • Mau hálito;
  • Escurecimento da região;
  • Dores fortes na região afetada;
  • Sangramento contínuo;
  • Amolecimento dos dentes;
  • Sintomas da gengivite.

O que são as doenças cardiovasculares?

As doenças cardiovasculares podem ser congênitas ou adquiridas com o passar do tempo, por meio dos hábitos alimentares ou do sedentarismo. 

Além disso, é possível que esse tipo de patologia decorra de infecções virais, bacterianas ou fúngicas.

O paciente cardíaco pode apresentar sinais como fadiga, náuseas, dores no maxilar ou peito, falta de ar, inchaço nos membros inferiores e ainda apresentam maiores chances de sofrerem complicações letais.

São consideradas doenças cardiovasculares as enfermidades que afetam os vasos sanguíneos, artérias e o coração, por exemplo, a hipertensão, infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca, endocardite, entre outras.

Juntamente com o câncer, as doenças do coração são as principais causas de morte em todo o mundo. Apenas em 2016 mais de 17 milhões de pessoas faleceram por problemas cardíacos, o que representa 31% do total de ocorrências mundiais.

Relação entre problemas bucais e cardíacos

Ainda que a correlação possa parecer distante, os distúrbios bucais afetam diretamente as condições cardiovasculares. 

Estudos apontam que os pacientes com periodontites são até duas vezes mais propensos a desenvolver doenças cardíacas, do que as pessoas saudáveis.

Os médicos acreditam que isso aconteça, pois na tentativa de proteger o corpo das inflamações causadas pela periodontia, os fatores imunológicos acabam lesionando as artérias que irrigam o coração.

Mais ainda, quando as bactérias causadoras das inflamações gengivais atingem os tecidos mais profundos da boca, elas podem penetrar o sistema circulatório e se espalhar para diversas partes do corpo.

Por isso, o investimento em um plano odontologico pode auxiliar tanto na manutenção do bem-estar bucal, quanto na prevenção das patologias cardíacas.

Como um convênio odontológico pode ajudar?

As consultas odontológicas e os procedimentos podem ser bastante caros. Inclusive, esse é um dos motivos pelos quais as pessoas não visitam o dentista com a frequência necessária.

É recomendável que todos os pacientes realizem consultas de rotina a cada seis meses. Contudo, no caso de pessoas com problemas cardíacos e diabetes, a constância deve ser ainda maior, sendo necessárias visitas de quatro em quatro meses.

Usufruir de benefícios, como o convenio odontologico empresarial, pode garantir ao paciente a segurança de um atendimento de qualidade sem as preocupações dos altos custos de tratamento.

Além disso, o oferecimento desse tipo de serviço para os funcionários também proporciona ótimos resultados para a empresa. 

Isso porque ele diminui as abstenções e atrasos por questões médicas, aumenta a produtividade, melhora a interação social e o trabalho em grupo.

Essas vantagens também podem ser aplicadas para as pessoas que possuem CNPJ. O plano odontologico para MEI costuma ter preços bastante acessíveis e cobre diversos procedimentos, por exemplo:

  • Limpeza profunda;
  • Remoção de placas bacterianas e tártaro;
  • Tratamento de cáries;
  • Exames radiológicos;
  • Todas as intervenções necessárias.

Ademais, ainda focando nisso, o titular desses convênios pode se tranquilizar em relação à saúde dos filhos e dependentes, porque os planos odonto empresarial também podem ser estendidos para até dois beneficiários.

Desta forma, é concebível realizar a manutenção da saúde bucal e cardíaca constantemente e de um modo economicamente sustentável. 

Conteúdo desenvolvido pela equipe do Conviva Melhor, blog criado com o intuito de melhorar a saúde e o bem-estar por meio de conteúdos que reforçam a importância dos cuidados regulares.